nsc
    nsc

    Política

    Fecam tem onda de renúncias entre prefeitos e pressão por novas eleições

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    10/02/2021 - 18h05 - Atualizada em: 10/02/2021 - 18h23
    Clenilton Pereira, prefeito de Araquari, é presidente da Fecam
    Clenilton Pereira, prefeito de Araquari, é presidente da Fecam (Foto: Salmo Duarte, Arquivo NSC)

    Em 20 dias à frente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), o prefeito de Araquari, Clenilton Pereira, é o pivô de uma crise interna que abalou a entidade municipalista. Desde o início da semana, pelo menos seis prefeitos renunciaram a cargos de diretoria depois que o novo presidente implantou o que chamou de um ‘choque de gestão’. Diante do racha, um movimento interno pede novas eleições.

    > Saída do prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt, expõe crise interna na Fecam

    Parte dos dissidentes defende que, se mais prefeitos abandonarem a Fecam, o atual presidente não terá legitimidade para tocar os trabalhos. Já Clenilton acredita que houve reação exagerada por parte dos colegas, e que o assunto será resolvido com a substituição dos membros da diretoria que renunciaram ao posto.

    > Acordo prévio entre prefeitos deve alçar Mário Hildebrandt à presidência de Fecam em 2023

    O abalo ocorreu depois que a Fecam demitiu, na semana passada, seis funcionários da área técnica que atuavam em setores como projetos, comunicação, articulação institucional e recursos humanos – alguns deles, com mais de uma década de serviço na entidade.

    Mensagens que circulam nas redes sociais acusam o grupo de Clenilton de ter demitido funcionários da Fecam para acomodar indicações políticas, e de criar pelo menos um novo cargo, de assessor especial da presidência, sem respaldo dos demais membros da entidade. O prefeito alega que só precisaria de autorização para troca de membros do conselho executivo.

    Em uma mensagem em vídeo, publicada no site da Fecam, o presidente disse que as mudanças implementadas foram aceitas e apoiadas pelos demais membros da diretoria. Afirmou, ainda, que fez mudanças porque havia “muita coisa errada” e “muitas coisas não funcionavam” na entidade.

    Em resposta, prefeitos membros da diretoria enviaram cartas de renúncia. A coluna teve acesso a seis delas, encaminhadas à Fecam por Joares Ponticelli, prefeito de Tubarão; Kiko Canalle, prefeito de Seara; Mario Hildebrandt, prefeito de Blumenau; Giovani Nunes, prefeito de São Joaquim; Rudi Sander, prefeito de São Carlos; e Milena Lopes, prefeita de Vargem.

    Milena, que ocupava o cargo de vice-presidente da Fecam, disse que o grupo discorda da condução dos trabalhos por parte de Clenilton.

    - (Saí) pela forma como foram conduzidas as decisões, sem conhecimento e consentimento do Conselho Executivo. Se não participamos das discussões, não podemos e nem devemos responder por atos tomados individualmente.

    O tom é o mesmo adotado nas cartas de renúncia.

    À coluna, o prefeito Clenilton repetiu o que afirmou no vídeo publicado pela Fecam,

    - Havia muita coisa errada, muita gente sem trabalhar, em home office, sobrando, não funcionava. O que eles estão chamando de desmonte eram 25 pessoas que tinha (empregadas) e cinco saíram.

    O presidente da Fecam disse ainda que a mudança implementada por ele vai gerar redução de custos aos municípios, embora não tenha explicado de onde virá a economia.

    - Estou achando estranho é as pessoas ficarem tão chateadas porque eu demiti cinco pessoas que não trabalhavam. Achei um pouco de exagero desses prefeitos.

    O racha interno é a segunda crise na Fecam em menos de um ano. Em agosto do ano passado, o então presidente da entidade, Orildo Severgnini, precisou renunciar às pressas depois que foi detido em uma operação do Gaeco na cidade de Monte Castelo.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Mais colunistas

      Mais colunistas