nsc
    nsc

    Análise

    Gean Loureiro inaugura a gestão da pandemia “até onde é possível”

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    30/06/2020 - 05h00
    Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis (foto: Leo Munhoz. Arquivo NSC)
    Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis (foto: Leo Munhoz. Arquivo NSC)

    O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, inaugurou oficialmente na segunda-feira um novo tipo de política pública para gerir a pandemia. A que é feita "até onde é possível". A expressão está na nota emitida pela própria prefeitura para explicar por que, em menos de uma semana, decidiu fechar e reabrir estabelecimentos como shoppings e academias.

    Fazer “o possível” diante da pressão contrária é a explicação para uma medida que, como a própria prefeitura reconhece, não é a ideal. A decisão foi embalada em uma nota com forte apelo midiático, em que o prefeito se coloca como vítima de pressões por todos os lados - da falta de sintonia com as prefeituras da Grande Florianópolis à inércia do Governo do Estado, passando pela falta de adesão da população.

    Nos bastidores, o mesmo discurso é repetido por prefeitos em todos os cantos do Estado – todos pressionados e assombrados pela proximidade das eleições municipais. Este cenário não mudou. O que mudou foi a resposta de Gean Loureiro à crise.

    Semanas atrás, o prefeito foi notícia nacional ao peitar o Governo do Estado e tomar a contramão da maior parte do país. Como resultado, Florianópolis foi destaque positivo, com mais de 30 dias sem nenhum óbito por covid-19. 

    Gean surfou a onda da popularidade enquanto pode - mas, justo agora, quando a situação da pandemia agrava, a postura do gestor que toma decisões com critério científico estremeceu.

    A prefeitura não segurou a onda, justamente no momento em que a ocupação dos leitos de UTI atinge 86% - o índice mais alto na Capital, desde o início da pandemia. As estatísticas diárias da Secretaria de Estado da Saúde mostram que vivemos uma aceleração em número de casos e de mortes.

    Há alguns dias, o próprio prefeito afirmou que o abre-fecha era o pior que poderia ocorrer neste momento. É exatamente o que ocorre em Florianópolis.

    Como escreveu o colega Anderson Silva, se era para voltar atrás, a Capital poderia ter permanecido onde estava. Ao retroceder, a prefeitura envia sinais trocados à população sobre o embasamento das políticas públicas e a escolha das prioridades – e os índices de isolamento social e adesão às regras, que já não é bom, tende a piorar.

    Há seis dias, quando anunciou as novas medidas restritivas, Gean, que é muito ativo nas redes sociais, justificou os novos fechamentos assim: “Algumas pessoas se acostumaram a ver ações depois da coisa descambar. Eu não vou pagar pra ver”. Pelo visto, mudou de ideia.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas