nsc
nsc

Opinião

Imolados na floresta, Dom e Bruno expõem ao mundo Brasil sombreado pela barbárie

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
16/06/2022 - 19h44
Bruno Pereira e Dom Phillips
Bruno Pereira e Dom Phillips (Foto: Reprodução)

A capa do jornal inglês The Guardian que circulará nesta sexta-feira (17), e foi publicada há pouco no Twitter, traz uma foto de Dom Phillips com a legenda: “o jornalista que morreu tentando alertar o mundo sobre a guerra na natureza”. Repórter engajado e brilhante, Dom estava escrevendo um livro sobre “como salvar a Amazônia”. Ficaria pronto no fim do ano.

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A morte terrível do jornalista inglês ao lado do indigenista Bruno Pereira, um dos mais respeitados profissionais da área, profundo conhecedor das tribos indígenas da Amazônia – em especial dos povos isolados – revelou ao mundo que o tesouro verde brasileiro se converteu em terra sem lei.

Não é de hoje que a selva sofre com falta de Estado. São décadas de omissão. Mas o que era uma doença crônica chegou à fase aguda com um governo que estimula a tensão e o armamento, que considera inimigos os órgãos de fiscalização ambiental e desmonta as políticas de proteção dos povos indígenas, que gostaria de calar quem expõe as mazelas de um Brasil sombreado pela barbárie.

> Irmãos confessam assassinato de indigenista e jornalista na Amazônia, segundo fontes da PF

Enquanto a selva é vilipendiada pelo crime, o Exército, a quem caberia resguardar o território, está engajado em um projeto golpista de descrédito do voto eletrônico, mirando no caos. A fala do presidente Jair Bolsonaro (PL), de que Bruno e Dom teriam se embrenhado em uma “aventura” perigosa, revela o total descontrole de uma área de alto interesse de segurança nacional. 

Perdemos dois defensores da floresta, dois defensores do Brasil. Dom Phillips foi um estrangeiro que se apaixonou pelo país e por aquilo que temos de melhor. Foi tratado com desdém pelo presidente da República, que se referiu a ele como alguém “malvisto”, quase como um invasor.

Leia também

Dom e Bruno: um fim trágico para dois amantes da Amazônia

Corpos de indigenista e jornalista britânico são encontrados na Amazônia, diz familiar

Bruno também foi um apaixonado pelo trabalho com os povos originários. Afastado da Funai por exercer sua função, seguiu cumprindo a missão no lado de fora. Queria proteger os índios dos invasores, do garimpo, da pesca ilegal, do narcotráfico, dos pistoleiros. Acabou vítima, ele mesmo, do mal que tentava combater.

Imolados na floresta, Dom e Bruno expõem ao mundo, de forma permanente, a miséria moral e o rastro de dor e sangue que o desmonte das políticas ambientais e de proteção das populações indígenas agravou no coração do Brasil.

Receba minhas publicações no NSC Total pelo Whatsapp - https://bit.ly/3PFMHCS

Se preferir, participe do meu canal do Telegram e o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais:

“BolsoGean” afasta eleitor progressista e fará Gean Loureiro disputar voto bolsonarista​

​PT e PSB admitem dificuldade para repetir dobradinha Lula-Alckmin em SC​

Vice-prefeito de Balneário Camboriú é pressionado a renunciar após foto em procissão

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas