nsc
nsc

Entrevista

Luciane Carminatti fala sobre câncer de mama que enfrentou: “O mais revolucionário é a vida”

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
20/03/2022 - 06h00
Deputada Luciane Carminatti no plenário da Alesc
Deputada Luciane Carminatti no plenário da Alesc (Foto: Patrick Rodrigues)

Habituada aos embates que são parte do dia a dia na política, a deputada estadual Luciane Carminatti (PT) soube, aos 51 anos, que enfrentaria sua maior batalha. E seria pela vida. A líder da Bancada Feminina da Assembleia Legislativa descobriu no ano passado um câncer de mama. A doença, que a afastou temporariamente das atividades legislativas no segundo semestre de 2021, foi tratada com discrição pela parlamentar. 

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Carminatti me recebeu em seu gabinete da Alesc num dia simbólico: 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. Em cerca de meia hora de entrevista, a deputada revisitou os momentos mais difíceis da jornada contra o câncer. 

Mais de uma vez, os olhos se encheram de lágrimas – mas a voz não falhou em nenhum momento. A única pausa ocorreu quando perguntei se a experiência havia feito da deputada uma nova mulher. Ela pensou durante alguns segundos antes de responder que passou a enxergar o feminino por trás de cada sofrimento.

Nesta entrevista, Carminatti relata como a convivência com outras mulheres, sem condições financeiras de complementar o tratamento, fez despontarem novas frentes de luta na Bancada Feminina da Alesc. O câncer enfrentado pela deputada é o de maior prevalência entre as mulheres brasileiras, quase um terço do total. São 60 mil novos casos ao ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Luciane Carminatti passou por cirurgia para retirada do tumor, radioterapia, e agora segue em tratamento complementar preventivo.

“O tem que de mais revolucionário é a vida”

A senhora demorou um período para falar abertamente sobre o que aconteceu, por quê?

Eu sempre me cuidei, fiz os exames todo ano. Você leva um choque, porque pensa “não pode ser comigo isso, eu faço mamografia todo ano. Como é que agora descubro que tenho dois nódulos na mama esquerda?” Tem uma coisa que fui descobrindo, e que as mulheres passam. Primeiro, é a negação da doença. Você não quer falar disso. Eu não me sentia inteira para dar conta do que as pessoas esperavam que eu falasse sobre isso naquele momento. É uma fase. Fui lendo mais, ouvindo mais profissionais, e o meu médico foi muito hábil nisso, me mostrou que tem cura, tem tratamento. Quando fui sentindo o chão, fui começando a poder falar. E tinha ainda uma coisa, eu estava no meio de um debate na Assembleia, de um fogo cruzado, que era a carreira do magistério. Eu provoquei isso no início do ano quando criamos aquela comissão (de discussão da carreira dos professores), e quando veio essa situação, da doença, não sabíamos qual seria a semana em que seria votado o plano de carreira.

Quando fui sentindo o chão, fui começando a poder falar. 

Mandei mensagem no domingo para o líder do governo (deputado José Milton Scheffer) e para o deputado Julio Garcia, da Comissão de Finanças. Eu faria a cirurgia na segunda-feira. Disse para os dois, por favor, não votem a carreira antes de eu voltar. A minha cabeça estava conflituosa entre esses dois momentos: eu tenho que me cuidar e eu sou deputada, tenho responsabilidade. Consegui falar disso quando fui sentindo milhares de mensagens de muito apoio, as pessoas vinham no meu ouvido e diziam “teu nome está nas minhas orações”. No momento que eu senti, eu falei. Nós mulheres temos dificuldade, muitas vezes, de dizer o que a gente quer, para quem a gente quer, no momento que a gente quer. A minha tentativa foi escolher quando falo, para quem falo, e a forma que falo.

Como foi a descoberta do câncer? Foi um exame de rotina?

Em janeiro eu fiz uma mamografia e minha ginecologista disse que tinha algo que precisava acompanhar, que eu deveria voltar em seis meses. Quando fiz a ressonância, ela me mandou uma mensagem, e eu estava na reunião da Comissão de Finanças. Era 13 de outubro. Quando vi a mensagem, perguntei se poderia ligar dali a alguns minutos. Saí da reunião e fui para trás, na sala dos deputados. Liguei para ela e disse – pra você me perguntar quando estou em Chapecó é que o meu exame não deu bem. E ela disse sim, deu ruim. Sabe quando o mundo cai? Fui ao banheiro, chorei, não falei para ninguém. Dia 14 eu estava em Chapecó e dia 15 era Dia do Professor, foi quando marquei para fazer a biópsia. Na semana seguinte eu fiz a consulta (com o especialista), e dia 15 de novembro fiz a cirurgia. Você não vê a hora de fazer a cirurgia, tirar. Passar pelo pesadelo, se tratar e estar bem. O tempo de espera é agonizante.

Chorei, não falei para ninguém

O que é mais difícil, lidar com a questão física ou o peso emocional?

O peso emocional. A palavra câncer é de uma monstruosidade enorme, você associa câncer com terminalidade, com o fim da linha. Do ponto de vista emocional, é o maior desafio. Olhar para as pessoas, dizer eu vou sair dessa, mas será que vou mesmo? Tem aquela coisa, eu me curei, mas em outros voltou, em outras partes do corpo. Você vai tendo que lidar com o peso da palavra, do termo, do conceito.

E como foi o tratamento? A senhora fez pelo SUS, certo?

O processo inicial eu fiz pelo plano de saúde. A radioterapia foi no Hospital Regional (em Chapecó), que é o que todo mundo faz. A radioterapia não é tão agressiva quanto a quimio, em que você injeta medicamentos pesados no corpo inteiro. Mas o impacto que eu tive foi no dia em que senti que estava com uma doença grave. Você entra no setor de radioterapia, coloca um jaleco azul e senta ao lado de todos os pacientes, uns que tiveram queda de cabelo, outros que você percebe debilidade do corpo, outros mais entusiasmados, mas de igual para igual. Todo mundo ali para ser cuidado. São cinco minutos de radiação. Fiz num período de muito calor em Chapecó, de 17 de janeiro a 4 de fevereiro. A radiação queima, mas não tive nenhum efeito colateral. Em seis meses eu retorno ao médico e começo um tratamento com um comprimido por dia, durante cinco anos. Ele evita que essas células possam retornar.

Num momento como esse, é preciso evitar o estresse. Mas ele faz parte da atividade política. Como lidar com isso?

O espaço da política, ainda mais do que vamos enfrentar este ano, é um espaço de muito conflito. Agora entrei numa outra fase, num exercício pessoal e coletivo de pensar melhor as agendas que a gente faz. Teve um período, antes de descobrir o câncer, que cheguei a fazer 12, 15 agendas num dia. Nenhum ser humano, no atual contexto que estamos vivendo, independente da profissão que siga, a não ser que faça muita terapia, seja muito zen, consegue viver sem conflito, sem estresse. Nesse contexto, precisamos eu, minha família, equipe, filtrar algumas coisas e me dar o tempo necessário. Vou precisar dizer que tem tristeza, mas também tem alegria. Tem tragédia, mas também tem muita construção legal. As pessoas que passam pelo tratamento de câncer têm essas lições, de tentar, a partir da dor, fazer movimentos de ressignificação de espaços, lutas, coisas pessoais.

Sua experiência com a doença movimentou outras pautas para a bancada feminina. O que a senhora descobriu sobre as necessidades das mulheres que passam por esse tratamento?

A primeira coisa que os médicos falam é em ter a imunidade alta, se alimentar adequadamente. Alguns proteicos especiais, antes da cirurgia, uma meia para evitar a trombose. Depois da cirurgia, um sutiã especial para ajudar na cicatrização das mamas. Quando você faz as contas do quanto dá isso, e olhando para aquelas mulheres que eu encontrava na radioterapia, eu pensava – não posso me queixar, tenho condições de fazer tudo isso. Mas pensei nas mulheres que dependem exclusivamente do que elas têm. Tem a Rede Feminina (de Combate ao Câncer), mas elas mesmas dizem que não dão conta de tantos pedidos de cesta básica, de hidratante. Perguntei o que fazem quando uma mulher não pode comprar. Não compra, não tem. Naquele momento, quando eu estava de licença, estávamos no período de votação do orçamento. Fiz uma chamada no grupo (de whatsapp) das cinco, e propus colocarmos uma emenda parlamentar e começarmos a trabalhar um programa para mulheres pobres que sofrem de neoplasia mamaria. O relator da Comissão de Finanças, deputado Marcos Vieira, aceitou nossa proposta. E conversei com a (primeira-dama) Késia, pedi a ela para falar com o governador para ele não vetar.

Conversei com a Késia, pedi a ela para falar com o governador para ele não vetar

Não sei se ela fez isso, mas o governador não vetou. Então temos R$ 10 milhões no orçamento deste ano para criar esse programa. O debate que a gente começou a fazer agora, ainda muito inicial, é na formatação desse programa. Penso que Assistência Social e Saúde terão que estar juntas nessa construção. Tem uma frase que eu digo, que da dor a gente fez luta, e da luta a gente fez conquista. Agora tem que chegar nas mulheres que precisam.

Como foi o momento de retornar à Alesc?

Foi marcante, porque todas as pessoas que souberam, de uma forma ou outra, vieram falar comigo. Tive colegas da bancada feminina que foram fenomenais. Isso traz a lição de que tem coisas que podem nos unir. Fizemos uma reunião da bancada feminina aqui (no gabinete), as mulheres me perguntaram da cirurgia, eu disse - querem ver como ficou? Mostrei para elas o peito, outra colega, a (deputada) Marlene (Fengler), que também passou por câncer há mais tempo, também mostrou. Nessas horas, somos mulheres em luta pela vida. Aqui dentro senti muita empatia das mulheres e também muita torcida dos colegas, muita solidariedade, muito respeito. Mas, ao mesmo tempo, ninguém deu trégua para mim não (risos). Quando cheguei da cirurgia, já entramos no debate sobre alguns projetos, e com marcação cerrada. Eu queria isso mesmo, foi o que construí.

Senti muita empatia das mulheres e também muita torcida dos colegas, muita solidariedade, muito respeito. Mas, ao mesmo tempo, ninguém deu trégua para mim 

Uma experiencia como essa é transformadora. A senhora é outra Luciane hoje?

Tem muitas coisas que ... (pausa). Eu não gosto de dizer mais forte, porque o forte está associado com não se emocionar, a um padrão. Não quero isso. Esse momento para mim disse o seguinte: faça o que quer fazer da tua vida, porque ela é tua, enfrente os medos e seja autêntica sempre. Traz essa dimensão de ter mais garra, como a saúde, que não era uma pauta que estava na minha dimensão de luta, e agora está. Chego à conclusão de que o tem que de mais revolucionário é a vida. Ela te joga para frente, te joga para trás, te vira do avesso, te permite estar aqui ou não estar. Acho que sou outra mulher, mas com tudo o que fui e com tudo o que descobri nessa tentativa de também dar força para as mulheres. Estou enxergando mais o feminino por trás de cada sofrimento, acho que é isso.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais​

Pico de casos de Covid em SC no início do ano traz dúvidas sobre dispensa de máscaras

Moisés fala sobre uso de avião dos Bombeiros em atividades privadas; vídeo

Governo de SC usou avião dos Bombeiros para transportar autoridades 28 vezes desde agosto

A conversa entre Luciano Hang e Amin sobre escapar de “oceano vermelho” nas eleições de SC​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas