nsc
nsc

Saúde

Médico cubano recorre à Justiça para poder combater a Covid-19 em SC

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
25/03/2021 - 20h13 - Atualizada em: 25/03/2021 - 20h12
Saúde de Santa Catarina enfrenta falta de médicos
Saúde de Santa Catarina enfrenta falta de médicos (Foto: Mauricio Vieira, Secom SC)

Uma decisão da Justiça Federal autorizou um médico cubano, que vive em Santa Catarina, a atuar na rede de saúde do Estado enquanto durar o estado de calamidade pública causado pela Covid-19. 

> SC supera 10 mil mortes por covid-19 no dia em que completa um ano da 1ª vítima

Os médicos cubanos estão impedidos de atuar no país desde que o governo federal suspendeu o programa Mais Médicos e deixou de realizar provas do Revalida, que garante validação de diplomas a médicos estrangeiros no Brasil.

> Painel do Coronavírus: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

> Acompanhe dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

O autor da ação, Luis Jose Fajardo Moreno, 47 anos, é casado com uma brasileira e vive na cidade de Gravatal. Ele é médico há duas décadas, e exerceu a profissão durante oito anos no Brasil. O pedido feito por ele foi para atuar no combate à Covid-19, de forma provisória.

> Governo federal recorreu de ordem judicial para enviar mais médicos a Chapecó

O advogado Orlando Gonçalves Pacheco Junior, que representou o médico na ação, diz que ele não pretende legalizar a situação de seu diploma, nem ser dispensado do Revalida quando a situação sanitária voltar ao normal.

- Quer colaborar exclusivamente durante o período da pandemia na função de médico, na qual já desempenhou por mais de 20 anos – afirma o advogado.

> SC descarta restrições no turismo para feriado antecipado de SP e RJ

Na decisão, o juiz Rafael Carmona, da 1ª Vara Federal de Tubarão, ressaltou que muitos médicos cubanos já atuaram em municípios catarinenses e estão aptos a trabalhar no combate à pandemia. “Diante da anormalidade do momento atual pelo qual passa a sociedade, as medidas emergenciais tomadas excluíram os médicos formados em instituições estrangeiras que não tiveram seus diplomas revalidados no território nacional, o que além de resultar em tratamento não isonômico, uma vez que são médicos graduados, com diploma devidamente reconhecido, importa prejuízo ao interesse público primário, pois a sociedade deixará de receber auxílio por profissionais capacitados e impedidos de atuar na área”.

A decisão foi emitida na quarta-feira (24), e permitiu que o médico assumisse o plantão já nesta quinta, em um hospital da cidade de Treze de Maio.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas