O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) condenou a uma advertência o juiz catarinense Rudson Marcos, responsável pelo caso Mari Ferrer. O processo avaliou a atuação do magistrado durante uma audiência em 2020, em que a jovem, que fez uma acusação de estupro, foi desqualificada pelo advogado do acusado, que acabou absolvido.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Dos 14 votos no CNJ, foram 11 pela condenação e três pela absolvição do juiz. Em seguida, foram discutidas as penas. A advertência é a penalidade mais branda prevista pelo Conselho.

A relatora do caso foi a desembargadora federal Salise Sanchotene, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS).  Juíza criminal de carreira, ela foi relatora do protocolo do CNJ para julgamentos sob perspectiva de gênero, e é uma liderança do assunto no Conselho.

STF forma maioria para declarar aposentadoria de ex-governadores de SC inconstitucional

Continua depois da publicidade

Nos bastidores, já havia a expectativa de que, mesmo se fosse condenado pelo Conselho, o juiz não receberia uma pena grave. O principal motivo é a falta de responsabilização em outros órgãos. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por exemplo, não penalizou o advogado de defesa.

No entanto, havia a perspectiva de que a relatora iria propor pena de remoção compulsória, em que o juiz é obrigado a mudar de Vara. Foi inclusive o que defendeu o Ministério Público Federal (MPF) durante a audiência no CNJ. No entanto, o próprio magistrado já havia trocado de Vara durante o processo, então a pena não teria mais sentido.

Cidade de SC ultrapassa Balneário Camboriú em imóveis vendidos

Durante a sessão do Conselho, a desembargadora mencionou que Mari Ferrer chegou a ser chamada para ser ouvida no Processo Administrativo Disciplinar (PAD) – mas, ao perceber que havia apenas homens presentes, saiu e não voltou mais.

Os votos

O voto da relatora, com 160 páginas no total, concluiu que o juiz catarinense é competente e sério, mas não teve pulso para conduzir a audiência em 2020 e exigir outra postura do advogado de defesa. Ela foi seguida por outros 10 conselheiros.

Continua depois da publicidade

A divergência foi aberta pelo conselheiro Richard Pae Kim, que é juiz estadual, do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ele votou pelo arquivamento, entendendo que a postura do juiz em audiência é matéria “jurisdicional” – ou seja, é um tema que diz respeito ao processo e à função de julgar, e portanto não poderia ser analisado pelo CNJ.

Ele foi acompanhado pela desembargadora do trabalho Jane Granzoto (única outra mulher do Conselho), que é membro do Tribunal do Trabalho de São Paulo (2ª Região), e pelo conselheiro Giovanni Olsson, que é juiz do trabalho em Chapecó, do Tribunal Regional do Trabalho (12ª Região).

Destaques do NSC Total