nsc
nsc

Análise

Relatório mostra que objetivo da CPI dos Respiradores era fisgar Moisés

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
19/08/2020 - 08h29
Governador Carlos Moisés
Governador Carlos Moisés (Foto: Divulgação Secom)

As 118 páginas do relatório da CPI dos Respiradores, apresentado na terça-feira (18) na Assembleia Legislativa, traçam a linha do tempo na desastrosa compra de equipamentos que lançou o Governo do Estado a uma crise sem precedentes. E mostram que, para além de apontar os envolvidos na negociação, o objetivo final da apuração era o governador Carlos Moisés (PSL), o ‘peixe grande’ nessa batalha de narrativas.

Prova disso é a sugestão de um novo pedido de impeachment no documento. Desta vez, respaldado na compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões com pagamento antecipado – algo que tem mais substância para fazer estragos frente à opinião pública. Embora o relatório da CPI não aponte indícios de participação direta do governador na compra dos respiradores, o texto se debruça longamente sobre a suposta omissão de Moisés em fiscalizar os atos do próprio governo.

> CPI dos respiradores pede impeachment de Moisés e investigação criminal de 13 pessoas

O trecho do relatório da CPI que fala sobre a responsabilidade do governador tem 15 páginas, em que trata desde os deveres legais do cargo, até supostas inconsistências entre as respostas de Moisés à Comissão e as que ele prestou em coletivas de imprensa no início da pandemia, sobre a aquisição dos respiradores.

A conclusão do documento confirma o alvo preferencial ao ressaltar que, mesmo correndo em paralelo às investigações da força-tarefa do Ministério Público e Polícia Civil, que investiga o caso no âmbito criminal, a CPI seria o único instrumento que permitiria incluir o governador, devido ao foro privilegiado.

> Relator da CPI diz que governador Carlos Moisés "mentiu" e "demorou a agir"

No arremate, o relatório determina o envio à Procuradoria Geral da República de toda a apuração, para que o procurador Augusto Aras avalie se há elementos para investigar Moisés. O que pode trazer uma nova dor de cabeça ao chefe do executivo.

É natural esse foco em um processo essencialmente político, como são as CPIS. E ainda mais evidente quando se trata de uma CPI atípica, em que o governo se deixou sangrar sem a presença de deputados para defendê-lo, como bem pontuaram os colegas Anderson Silva e Upiara Boschi.

Dado o histórico de processos semelhantes, no Brasil as CPIs inauguraram o termo “acabar em pizza”. Pelo teor do relatório, não se verá isso em Santa Catarina – até porque a preferência dos deputados é por pescado. E dos grandes.

Leia também:

Upiara Boschi: Relatório final da CPI dos Respiradores abre caminho para impeachment só de Moisés

> Anderson Silva: Relatório da CPI dos Respiradores resume inoperância do governo na comissão

> Renato Igor: CPI dos respiradores: governo de SC colheu o que plantou

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas