nsc
    nsc

    Opinião

    Sobrevivência política é a resposta para a falta de coragem nas medidas contra Covid-19 em SC

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    14/07/2020 - 04h00 - Atualizada em: 14/07/2020 - 05h44
    Imagem do Centro de Florianópolis
    Pandemia exige medidas mais duras em SC (Foto: Diorgenes Pandini / NSC Total)

    O avanço do novo coronavírus em Santa Catarina se escora em outro vírus, conhecido há muito mais tempo e igualmente pernicioso – o do oportunismo político. Em plena pandemia, é ele quem dita as regras das medidas pouco corajosas de enfrentamento a que temos assistido. Primeiro, no âmbito federal. Mais recentemente, no Estado e nos municípios.

    As medidas de enfrentamento anunciadas nesta segunda-feira (13) pelo Governo de Santa Catarina e pelos municípios da região da Foz do Itajaí-Açu, que amargam há três semanas o índice mais alto de risco no Estado, são exemplos de sintomas clássicos dessa doença que se alastra em diferentes níveis de poder. Preocupados com a sobrevida política, os gestores optam por decisões tímidas, de pouco efeito.

    Essa simbiose entre uma doença potencialmente fatal, de rápida transmissão, e a preocupação dos políticos com as próximas eleições, que estão logo ali, em novembro, resultaram no cenário preocupante que Santa Catarina tem vivido nos últimos dias. Diante de ações reticentes para contê-la, a pandemia avança.

    Esperava-se do governador Carlos Moisés, pelo menos, um alerta mais firme. Nem isso ocorreu. Abatida, a figura do governador, que se recupera da Covid-19, sequer lembra a do bombeiro, a quem se confiam emergências.

    > Estado anuncia novas restrições; atividades são suspensas por duas semanas em SC

    Moisés sabe que a maior parte dos prefeitos está irresponsavelmente acuada, de olho na reeleição. Mesmo assim, hesita em gerir a crise. Está ocupado com os próprias problemas, gestados junto com a mal explicada compra de respiradores inservíveis. Nesse jogo de empurra, não há inocentes.

    > SC registra a mais alta ocupação em leitos de UTI durante a pandemia

    De um lado, os prefeitos, que entre medidas impopulares que possam refletir no próximo pleito, ou deixar a população exposta ao vírus, escolhem a segunda opção. De outro, o Governo do Estado, que abre mão da função constitucional de gerir as políticas públicas que dizem respeito aos catarinenses.

    Em tempos de coronavírus, a sobrevivência política forja a covardia.

    > Painel do Coronavírus: mapas e gráficos mostram o avanço da doença

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas