nsc
    nsc

    1º de Abril

    Colheita do Pinhão começa em SC com previsão de até 60% de crescimento

    Compartilhe

    Eduarda
    Por Eduarda Demeneck
    01/04/2021 - 11h28
    Colheita do Pinhão é liberada em SC
    Colheita do Pinhão é liberada em SC (Foto: Ben Ami Scopinho/ arquivo)

    Por lei, no dia 1º de abril venda, colheita e transporte do pinhão são liberadas em Santa Catarina. A partir desta quinta-feira (01), as propriedades serranas começam a ficar mais movimentadas com a colheita. A previsão da Epagri é de uma produção maior que 2020, entre 40% e 60%.

    >>Receba notícias da região pelo WhatsApp

    Mesmo assim a safra deve ficar abaixo do normal, porque no ano passado a produção teve uma queda significativa. Segundo especialistas o cenário é motivado por fatores climáticos e a chamada alternância na produção, onde em alguns anos os pinheiros produzem mais pinhas e em outros menos.

    - Apesar da elevação, a safra ainda será menor do que em um ano normal, já que ano passado ela foi praticamente insignificante, relata Jose Marcio Lehmann, gerente regional da Epagri em Lages.

    A Epagri ainda não divulgou a quantidade que deve ser colhida no estado. Em Painel, munícipio com maior produção de pinhão de SC, a previsão é colher cerca de 200 mil quilos, em um ano normal a colheita chegaria a 400 mil quilos. Mesmo assim os produtores estão animados porque vão conseguir compensar a produção de 2020. O pinhão ainda é uma atividade informal, e por isso acredita-se que a quantidade pode ser ainda maior do que o previsto, já que muitos agricultores não tiram notas. Na Serra Catarinense são mais de 5 mil famílias que trabalham nessa atividade.

    - O pinhão faz parte da renda de várias famílias agricultoras da região, que aguardam a abertura para iniciar a colheita e comercialização de várias maneiras, principalmente com barracas montadas à beira das rodovias locais, comenta o gerente regional da Epagri.

    >>Furacão em Santa Catarina? Entenda a previsão do tempo

    Para colher, os produtores enfrentam subidas nos pinheiros com mais de 15 metros de altura. A atividade é perigosa e exige prática e segurança. Geralmente é uma tradição passada de geração para geração.

    Mais colunistas

      Mais colunistas