nsc
nsc

Negócio multinacional

Accenture anuncia aquisição da Pollux, indústria de automação de Joinville

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
01/03/2021 - 11h23 - Atualizada em: 01/03/2021 - 13h46
José Rizzo Hahn Filho, fundador da Pollux
José Rizzo Hahn Filho, fundador da Pollux, de Joinviille (Foto: Pollux, divulgação)

A Accenture, multinacional americana de consultoria e tecnologia, anunciou hoje a intenção de adquirir a Pollux, empresa de Joinville, Santa Catarina, especializada em indústria 4.0. O objetivo da Accenture é reforçar atuação em automação empresarial, área que denomina como industry X. O fechamento do negócio depende ainda do cumprimento de algumas normas de mercado, mas essa é a primeira aquisição da empresa para reforçar sua atuação fabril.

A decisão é um reconhecimento à excelência da empresa catarinense, fundada em 1996 pelo engenheiro José Rizzo Hahn, que em 2018 acelerou a atuação internacional. Chamou a atenção do mundo ano passado ao montar uma fábrica totalmente dentro do conceito de indústria 4.0 para uma das empresas do megainvestidor Warren Bufffet.

ABII discute indústria 4.0 em encontro nacional

"A pandemia mostrou que o uso de tecnologia faz parte das soluções que as empresas precisam”, diz presidente da associação da indústria 4.0

Desde a sua fundação, a Pollux atua com automação industrial. Começou com medicamentos e ampliou para o setor automotivo, alimentos e bebidas. O passo na internacionalização foi com a abertura de filiais nos Estados Unidos, Canadá, Equador e México. Mais de 65% da receita da empresa vem de negócios com o exterior.

Segundo o líder global da Accenture Industry X, Nigel Stacey, a automatização e a colaboração de homem + máquina estão transformando os processos de fabricação e de supply Chain para empresas atenderem melhor as demandas em constante mudança dos clientes, com foco em operações mais seguras, produtivas, resilientes e sustentáveis. Para Stacey, essas mudanças exigem uma verdadeira integração da tecnologia da informação e da tecnologia de operações. A Accenture poderá oferecer isso com tecnologia da Pollux. 

A expectativa é de que o negócio será fechado em cerca de um mès. No Brasil, é preciso aguardar a decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que zela pela concorrência. Após o fechamento do negócio, o empresário José Rizzo seguirá à frente das atividades da Pollux, que além de atuar nas Américas, no futuro poderá desenvolver projetos para a sua nova controladora também em outros continentes. Para Rizzo, a atuação seguirá com combinação de inovação em TI com automação industrial, criando modelos de negócios pelos quais as decisões de consumidores vão movimentar um robô a milhares de quilômetros para produzir mais. 

Os 300 colaboradores da Pollux se unirão aos 514 mil que a Accenture tem no mundo. A empresa americana informa que fez recentemente aquisições para fortalecer seus negócios em diversas áreas. Adquiriu a consultoria em operações industriais Myrtle, dos EUA, a consultoria em tecnologia Salt Solutions da Alemanha, a PLM Systems da Itália, a Callisto Integration do Canadá, a Silveo da França, a Enterprise SystemPartners da Irlanda, mais a Real Protec e a Organize Cloud Labs, do Brasil. 

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas