nsc
    nsc

    Arrecadação

    Arrecadação do governo de Santa Catarina cresce 8,4% em agosto

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    01/09/2020 - 15h20
    Secretário da Fazenda, Paulo Eli,  diz que Estado aguarda recuo da pandemia para fazer mais liberações de setores
    Secretário da Fazenda, Paulo Eli, diz que Estado aguarda recuo da pandemia para fazer mais liberações de setores (Foto: Divulgação)

    Apesar da fase crítica da pandemia durante o mês de agosto em Santa Catarina, que levou 1.158 vidas, a economia local manteve ritmo de crescimento. A arrecadação total do Estado no período chegou a R$ 2,4 bilhões e cresceu 8,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado. A variação foi semelhante à do mês anterior, quando teve alta de 8%. O ICMS, que é o principal tributo do Estado, registrou crescimento de 8,2% frente ao mesmo mês de 2019, segundo dados da Secretaria de Estado da Fazenda.

    PIB do Brasil tem queda histórica, mas economia de SC recua menos

    Na avaliação do governador Carlos Moisés, esse crescimento da receita resulta do trabalho do executivo estadual.

    - Fomos o primeiro Estado a fazer o lockdown e, aos poucos, fomos liberando os segmentos econômicos, com segurança, fazendo o equilíbrio entre saúde e economia – afirmou Carlos Moisés, de acordo com informação divulgada pela assessoria.

    Para o secretário da Fazenda, Paulo Eli, esse crescimento de 8.4% em agosto, parecido com o do mês anterior, confirma a previsão que ele fez de que a economia catarinense teria uma recuperação em forma de U. Ele explica que em março começou a retração e a queda mais acentuada foi nos dois meses subsequentes, em abril e maio. Em junho, embora o Estado tenha registrado retração de 9,6% na arrecadação, já havia iniciado a recuperação e, em julho e agosto ela mostra ritmo maior. Paulo Eli atribui esses dois resultados positivos ao esforço coletivo do poder público, que concordou em flexibilizar mais atividades econômicas, e ao setor privado, que voltou a produzir.

    A Fazenda está atenta e preocupada com os setores que ainda não puderam retomar atividades em função da pandemia. Nesse grupo estão eventos, feiras, atividades culturais e de lazer e hotéis (que estão com atendimento parcial).

    - Estamos analisando o cenário em todo o Estado e, assim que atingirmos um nível menor de contaminação, com risco moderado para a Covid-19, vamos discutir a retomada de mais atividades – afirmou o secretário.

    O governo deve apresentar um plano de contingência aos municípios este mês, com previsão de retomada das aulas em outubro, informou Paulo Eli, por meio da assessoria.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas