nsc
    nsc

    Ajuda financeira

    BRDE adia pagamento de financiamento por pequena empresa na pandemia

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    02/05/2021 - 19h04
    Diretor do BRDE, Vladimir Arthur Fey
    Diretor do BRDE, Vladimir Arthur Fey (Foto: Jefferson Douglas, divulgação)

    Diante da continuidade da Covid-19, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai suspender por seis meses o pagamento de prestações de empréstimos a micro e pequenas empresas que tiveram os negócios prejudicados pelo distanciamento social. Na Região Sul, onde atua o banco, devem ser beneficiadas 700 empresas e o valor a ser postergado soma R$ 1 bilhão.

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    A medida vem somente agora porque o BNDES, que fornece os recursos para instituições, decidiu fazer a postergação na última quinta-feira. Segundo o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE, Vladimir Arthur Fey, esse é o segundo congelamento de prestações na pandemia. A medida, que no termo inglês é standstill já foi adotada no ano passado.

    O diretor explica que a postergação pode chegar a 18 meses para contratos com TLP como índice de atualização. Na postergação anterior, a cobrança veio com aumento do custo das parcelas posteriores. Agora será diferente porque a dívida poderá ser alongada por 18 meses para não prejudicar o fluxo de caixa das empresas.

    Os financiamentos feitos com recursos próprios do BRDE também serão beneficiados com a postergação, informa a presidente do BRDE, Leany Lemos. Segundo ela, essa medida foi tomada também no ano passado e visa ajudar para que empresários enfrentem a pandemia com mais tranquilidade.

    Entre os setores que mais necessitam desse socorro estão transporte de passageiros, eventos e hotelaria. Não serão beneficiados com essa postergação empréstimos do Programa Emergencial de Acesso ao Crédito (PEAC), os que têm fundo garantidor, dívidas agrícolas, contratos para comércio exterior e administração pública. Empresas interessadas em fazer a repactuação podem procurar as agências onde fizeram os empréstimos a partir desta semana.

    Setores que podem postergar dívida:

    1 - Atividades artísticas, criativas e de espetáculos

    Atividades artísticas, criativas e de espetáculos

    Atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental

    Atividades esportivas e de recreação e lazer

    Atividades cinematográficas, produção de vídeos e de programas de televisão; gravação de som e edição de música

    2 - Transporte aéreo e auxiliares

    Transporte aéreo

    Atividades auxiliares dos transportes aéreos

    3 - Serviços de alojamento

    Hotelaria

    4 - Outras atividades administrativas e serviços complementares

    Seleção, agenciamento e locação de mão-de-obra

    Agências de viagens, operadores turísticos e serviços de reservas

    Serviços para edifícios e atividades paisagísticas

    Serviços de escritório, de apoio administrativo e outros serviços prestados principalmente às empresas

    5 - Transporte interestadual e intermunicipal de passageiros

    Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, intermunicipal, interestadual e internacional

    Transporte rodoviário coletivo de passageiros, sob regime de fretamento, e outros transportes rodoviários não especificados anteriormente

    6 - Serviços de alimentação

    Restaurantes e bares

    7 - Transporte público urbano

    Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal e em região metropolitana

    8 - Transporte ferroviário e metroferroviário de passageiros

    Transporte metroferroviário de passageiros

    Trens turísticos, teleféricos e similares

    9 - Tecidos, artigos de armarinho, vestuário e calçados

    Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios

    Comércio varejista de calçados e artigos de viagem

    Comércio varejista especializado de tecidos e artigos de cama, mesa e banho

    Mais colunistas

      Mais colunistas