O empresário Zoé Silveira d’Ávila, que como diretor industrial da Sadia e conselheiro ajudou a empresa a se tornar referência mundial em proteína animal, faleceu na noite de sexta-feira, em São Paulo, de causas naturais, aos 102 anos.

Continua depois da publicidade

O conselho de administração da BRF, dona da Sadia e Perdigão, divulgou nota de condolência neste domingo em nome dos 90 mil colaboradores do grupo, na qual diz que D’Ávila teve papel fundamental no crescimento e consolidação da Sadia. Assinada pelo presidente do conselho, Marcos Molina, a nota também agradece o legado deixado pelo ex-diretor e conselheiro.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Gaúcho do município de Tupanciretã, onde nasceu em 27 de maio de 1921, Zoé Silveira D’Ávila cursou medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mudou para Concórdia em 1951, para ser cirurgião no maior hospital local, mas logo passou a atender também em cidades vizinhas.

A entrada na Sadia aconteceu quando ele conheceu o fundador da empresa, Attilio Fontana, e passou a namorar sua quarta filha, a Odylla, com quem se casou em 1953 e ficou junto até em maio de 2022, quando ela faleceu. Foi aí que se tornou médico da empresa e foi galgando outros cargos de liderança, até deixar a medicina em 1962 para dedicar-se totalmente à função de executivo, a convite do sogro.

Continua depois da publicidade

Ingressou como Diretor de Higiene e Produção. Sob influência da formação em medicina, no cargo de Diretor Industrial ele implantou modelos contínuos de controle de qualidade, aperfeiçoamentos sanitários e inovações tecnológicas. Entre as medidas, estavam impedir a entrada de insetos na área fabril e a embalagem de produtos sem manipulação humana.

O Dr. Zoé, como era conhecido, também promovia intercâmbio nacional e internacional com universidades, instituições de pesquisa e associações empresariais para buscar sempre as últimas inovações ao setor. Isso também ajudou na projeção da empresa, que começou a exportar para o golfo arábico no início dos anos de 1970.

Zoé Silveira D’Ávila foi um dos executivos que mais influenciaram no desenvolvimento e crescimento da Sadia desde os anos de 1960 até a virada do século, logo depois de 2000. Além de diretor e presidente do conselho da companhia, foi líder de associações do setor de carnes do Brasil, como presidente da União Brasileira de Avicultura (hoje Associação Brasileira de Proteína Animal), vice-presidente da Associação Latino Americana de Avicultura (ALA) e também vice presidente da Associação Brasileira das Indústrias Alimentícias (ABIA).

O empresário deixou os filhos Eduardo, Yara, Denise e Daniele, nora, genros, sete netos e quatro bisnetos. Ele foi velado neste sábado, no Cemitério do Morumby, em São Paulo.

Continua depois da publicidade

Matéria feita com informações do conselho da BRF, Rádio Rural de Concórdia e PG Comunicação.

Leia também

Legado econômico e social da Covid-19 no Brasil e em SC é abordado em livro lançado na UFSC

Favela de Florianópolis recebe IBGE para ação do Censo 2022

Presidente da Unimed SC fala que enfrenta câncer com esperança e vídeos viralizam

Irani é reconhecida pelo GPTW 50+ por ter programa contra discriminação etária

Destaques do NSC Total