nsc
nsc

Análise

Como a crise da incorporadora Chinesa Evergrande pode impactar o Brasil e SC

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
23/09/2021 - 10h28
Dívida da Evergrande é estimada em US$ 305 bilhões
Dívida da Evergrande é estimada em US$ 305 bilhões (Foto: Divulgação)

O governo e o setor privado chineses tentam administrar a crise da segunda maior incorporadora imobiliária do país, a Evergrande, de Hong Kong, que não está conseguindo pagar dívida de US$ 305 bilhões. A expectativa é que ela não vá provocar uma crise financeira mundial, mas deve reduzir o ritmo de crescimento da construção e do Produto Interno Bruto (PIB) do gigante asiático. Para o Brasil, isso significa impacto negativo na economia devido à queda de preço do minério de ferro e redução de exportações do produto. Mas para SC, a princípio, o problema não causa perdas diretas porque o Estado exporta mais carnes aos chineses, que estão comprando menos, mas por outro motivo.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O endividamento da Evergrande afeta bancos, detentores de títulos da empresa, clientes, fornecedores e até um clube de futebol, o GuangZhou Evergrande. Embora o país seja uma economia centralizada, o governo chinês sinalizou que os bancos terão que arcar com os prejuízos. Há o temor de que essa crise afete todo o setor imobiliário chinês. Os analistas internacionais avaliam que o problema mostra o fim do longo fôlego de décadas da economia da China de crescer acima da média mundial impulsionada pela construção, setor que responde por quase 30% do PIB do país.

Após dois anos de elevadas compras de carne suína brasileira e catarinense devido à crise sanitária interna causada pela peste suína africana, a China começou a pressionar pela redução de preços há dois meses e a reduzir as aquisições do produto. Segundo o presidente da Aurora Alimentos, Neivor Canton, isso não está ligado à crise imobiliária, mas com o fato de que a suinocultura local está retomando atividade. Ele diz que os preços ao produto brasileiro já caíram cerca de 50% em dólar e que as agroindústrias de SC estão buscando outros mercados para colocar a produção.

Consultor sobre a economia chinesa, o empresário catarinense Henry Quaresma, explica que a Evergrande não gera crise global porque a dívida é toda em moeda local. O problema é que eles têm financiamentos com bancos das províncias do país. Mas ele avalia que a construção civil já rendeu o que tinha que render para a economia da China e que o governo do país está fazendo um esforço para reduzir grandes oligopólios. Então, ele acredita que a Evergrande vai ajustar suas dívidas, mas ficará num tamanho menor.

Com economia diversificada e alta participação do setor de tecnologia, o cenário para a economia chinesa era de crescimento elevado nos próximos anos antes da crise imobiliária. No primeiro trimestre deste ano, o PIB do país cresceu 18,3% e no segundo, 7,9% ambos frente ao mesmo período de 2020. O problema na construção pode inibir parcialmente essa aceleração. 

Caso a expansão econômica chinesa entre em menor ritmo, o impacto no Brasil será maior nas exportações de minérios, com redução de exportações e menor superávit comercial. Em contrapartida, haverá menor pressão nos preços do aço, cobre e alumínio, o que ajuda a reduzir a inflação brasileira. A indústria de SC, que vende mais para os EUA, deve ter um alívio nos preços de matérias-primas, o que se reflete de forma positiva embora possa ter maior concorrência internacional.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas