nsc
nsc

Porto seco

Concessão da aduana de Dionísio Cerqueira terá investimentos de R$ 50 milhões, diz senador

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
15/07/2021 - 18h34 - Atualizada em: 15/07/2021 - 18h59
Imagem aérea do movimento na aduana de Dionísio Cerqueira
Imagem aérea do movimento na aduana de Dionísio Cerqueira (Foto: Divulgação)

A concessão à iniciativa privada da aduana de Dionísio Cerqueira, no Extremo Oeste de Santa Catarina, incluindo o porto seco, terá investimentos de R$ 50 milhões e, em função do crescimento das atividades econômicas, deverão ser criados aproximadamente 20 mil novos empregos na região. A informação é do senador Jorginho Mello (PL-SC), que cobrou da Receita Federal o lançamento do edital terça-feira.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A privatização vai acelerar o desembaraço de cargas e ajudar a aquecer o turismo entre SC e a Argentina. Hoje, o estacionamento da aduana tem vagas para 143 caminhões. Com a ampliação, chegará a 500 vagas. A estimativa de criação de aproximadamente 20 mil novos empregos na região em função da maior atividade logística é da Receita Federal, que opera o terminal atualmente. Na opinião do senador, a concessão do porto seco vai aquecer o comércio exterior, beneficiando, principalmente, a indústria catarinense.

A empresa vencedora da licitação terá 45 dias para apresentar o projeto de ampliação e as obras de modernização deverão ser concluídas em 18 meses. As propostas devem ser apresentadas pelas empresas até o dia 17 de agosto e o prazo de concessão será de 25 anos.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas