O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, antecipou para a coluna que o governo catarinense terá condições de pagar os salários de abril integralmente aos servidores estaduais. O mesmo vale para aposentadorias e pensões. Como há uma apreensão geral sobre como ficarão salários e outros pagamentos em função da queda de receita devido à crise do coronavírus, essa informação do secretário tranquiliza os servidores e anima a economia do Estado porque esse grupo de trabalhadores não terá a renda afetada e, portanto, poderá consumir. O valor bruto da folha do governo do Estado está em torno de R$ 1,1 bilhão.

Continua depois da publicidade

> Coronavírus: CDL da Capital alerta sobre risco de demissões em massa

Mais cedo, a assessoria da Fazenda havia informado que essa confirmação de pagamento dos salários sem cortes poderia ser confirmada após o dia 20, mas foi antecipada. Dias atrás, o governo anunciou que cancelou todos os reajustes salariais de servidores.

A Fazenda de Santa Catarina registrou queda de receita de R$ 200 milhões em março em função dos impactos do início do isolamento social e, para este mês de abril, a previsão inicial era de retração de R$ 400 milhões, que poderá ser maior.

> Painel do Coronavírus mostra a evolução da doença em Santa Catarina e no país

Continua depois da publicidade

A queda da arrecadação não ocorre na mesma proporção da atividade econômica do mês porque há um “carregamento” de movimento econômico dos negócios e do consumo realizados anteriormente. Além disso, há a retomada gradual da economia, embora tímida, após 20 dias ou um mês do isolamento. A agropecuária e as agroindústrias não pararam, o governo estadual aprovou a retomada gradual de alguns serviços, da indústria, e reabriu o comércio de rua.

Uma das indústrias autorizadas a voltar foi a construção civil, que recebeu uma atenção especial do secretário Paulo Eli porque, pelas características do setor, por movimentar mais de 70 atividades econômicas, gera um impulso forte na economia. Há também o lado da saúde. Como os trabalhadores da construção atuam em áreas abertas ou amplas, longe um do outro, há mais facilidade para adotar as medidas de segurança frente ao coronavírus.

> Em site especial, saiba tudo sobre o coronavírus

O secretário também está acompanhando como os demais países estão retomando gradativamente a economia e observou que a decisão de autorizar a volta da construção civil foi acertada. O governo francês, por exemplo, informou que a retomada econômica no país será pelo setor da construção.

Destaques do NSC Total