A cautela do governo federal em aceitar a volta da tributação de PIS, Cofins e Cide sobre a gasolina e o etanol a partir desta quarta-feira mostra que o Brasil tem uma nova realidade para reajustes de combustíveis. A decisão esperada para hoje após reunião do presidente Lula com equipe econômica deve vir não só com o impacto dos impostos, mas também com redução devido à menor cotação da gasolina no exterior e ainda com um toque de sustentabilidade pela promessa de oneração maior de combustível fóssil, no caso a gasolina.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Polêmica política com medo de inflação e decisão de última hora azedou o humor de boa parte das lideranças econômicas do pais. O meio empresarial também não gostou da pressão do PT ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Postos em SC preparam aumento de combustíveis e criticam imprevisibilidade de impostos

Um dos aspectos positivos desse cenário é o cuidado com a geração de mais inflação, que afeta a vida da classe média, usuária de carro, já penalizada com as altas dos combustíveis do ano passado, resultantes dos efeitos da guerra na Ucrânia.

Continua depois da publicidade

Outro ponto positivo é a tributação maior ao combustível fóssil. Significa que o governo pode dar mais valor ao etanol, combustível considerado verde que é diferencial do Brasil desde os anos de 1970. Quem chamou a atenção para o etanol brasileiro semana passada foi o presidente mundial do grupo automotivo Stellantis, o executivo português Carlos Tavares, ao dizer que o Brasil não precisa de carro elétrico porque tem o etanol.

O que preocupa nessa polêmica é a excessiva ênfase política para a decisão da volta dos tributos. Isso traz insegurança ao mercado que vê riscos da volta de política de preços da Petrobras de acordo com a vontade do governo de plantão e não variando de acordo com a oferta e procura.

Quando a decisão não é técnica, o custo vem depois em crise econômica que acaba afetando o lado mais fraco, que é o cidadão mais pobre que nem carro tem.

O governo federal está certo em considerar vários aspectos para compor um preço mais justo e de ser cauteloso nas decisões, mas não pode fugir muito das variações de preço do mercado e dos compromissos de arrecadar tributos para atender o lado social.

Continua depois da publicidade

Leia também

Fiesc defende atração de investimentos complementares à indústria

Rei Charles III conhece projeto feito por fundação de SC para região da Amazônia

Com reforma, SC passa a ter 11 secretarias voltadas à área econômica

Startup FlixBus e empresa catarinense iniciam transporte entre SC e SP

Destaques do NSC Total