Uma das mais importantes instituições financiadoras de microcrédito no mundo, a cooperativa holandesa Oikocredit, que atua há 47 anos, poderá elevar os aportes de recursos para financiar o setor no Brasil nos próximos anos. A informação é da diretora geral da instituição, Mirjam T. Lam, que lidera comitiva que está conhecendo o setor de microfinanças do país, com atenção para Santa Catarina. Nesta segunda-feira o grupo visitou o Banco do Empreendedor, em Florianópolis, e nesta terça conhece o Banco da Família, em Lages.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias do Diário Catarinense no Telegram

Atualmente, a Oikocredit, que tem fundo composto por doações de igrejas e outros colaboradores, conta com 1,26 bilhão de euros em ativos e tem, também, em financiamentos no mundo, 1,01 bilhão de euros. No ano passado, emprestou para instituições de microcrédito do Brasil R$ 60 milhões e, para este ano, manterá essa média ou um pouco mais.

Desse montante ao Brasil, quase R$ 14 milhões foram para compor a base de financiamento do Banco do Empreendedor. O presidente do banco, Luiz Carlos Floriani, foi quem sugeriu a Mirjam Lam ampliar a oferta de recursos ao microcrédito brasileiro.

Floriani olha não só para SC, mas também para o Brasil todo porque ele acaba de assumir a vice-presidência da Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), ao lado de Isabel Baggio, do Banco da Família, que assumiu a presidência da associação brasileira.

Continua depois da publicidade

– Eu penso que é possível ampliar os recursos ao Brasil. Existem muitas oportunidades. Há espaço para continuar investindo tanto com novos parceiros quanto com parceiros que queiram crescer conosco como o Banco do Empreendedor – afirmou a diretora da Oikocredit.

Segundo Mirjam Lam, a Oikocredit tem priorizado investimentos para inclusão financeira, agricultura e energias renováveis porque acredita que esses setores têm impacto maior para o desenvolvimento social e econômico. Do total de recursos liberados, 46% foram para a América Latina. Na ponta, considerando empreendedores atendidos, 87% são mulheres e 63% são tomadores de crédito da área rural.

– Esses três setores: a inclusão financeira, a agricultura e as energias renováveis continuam prioritários para a Oikocredit porque eles podem promover desenvolvimento de forma relevante para as comunidades. Falando em energias renováveis também é possível pensar em estruturas comunitárias que atendam determinada região. A gente quer, através dos nossos parceiros em inclusão financeira, ver como podemos avançar, cada vez mais, para atender as melhorias das comunidades nas quais estamos inscritos – explicou Mirjam Lam.

Além da diretora geral, a comitiva da Oikocredit que visita Santa Catarina é composta pela diretora de finanças e riscos, Gwen van Berne; o diretor para a América Latina, Eduard Walkers; o gerente de investimentos no México, Carlos Rius, o gerente de investimentos no Brasil, Nicolas Viedma e o oficial de investimentos no Brasil, James Butler.

Continua depois da publicidade

A missão da Oikocredit ao Brasil – além de SC inclui o Rio Grande do Sul e São Paulo – tem vários objetivos, segundo Mirjam Lam. Um deles é para ela, que assumiu a diretoria geral há um ano, conhecer o rosto dos parceiros da instituição no mundo. Outro é ficar mais próximo das bases para poder interagir com elas de acordo com as necessidades e, em terceiro lugar, ver o que está acontecendo com a economia local, o sistema político.

Depois de uma manhã de reuniões no Banco do Empreendedor, o grupo visitou a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e outras instituições. O presidente do Banco do Empreendedor, Luiz Carlos Floriani, defendeu parceria de longo prazo, sinalizando de que o setor vai seguir crescendo no Estado e no Brasil.

Também presente na reunião, o consultor técnico da Abcred, Pedro Ananias, falou sobre a importância da SC Garantias, o fundo de aval do Estado ao setor, que em cinco anos de atividades ofereceu lastro para R$ 60 milhões em empréstimos.

Santa Catarina conta com o sistema de microfinanças mais desenvolvido do Brasil, que empresata para microempreendedores formais e informais. As organizações do setor contam com agências em diversas cidades do Estado e estão avançando também nos estados vizinhos. 

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total