Em busca de novas oportunidades de negócios para o país no exterior, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) vislumbra oportunidades na Ásia, África e Oriente Médio. Para o presidente da Apex, o embaixador Augusto Pestana, nessas regiões, o mercado com maior potencial para exportações brasileiras é a Índia.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC no Telegram

– A Índia é um país que está sendo forçado a se abrir para o mundo, pela realidade de milhões de pessoas na classe média que consomem mais, querem comer e morar melhor, o que abre muitas portas para nossa exportação de setores como a indústria de alimentos ou a moveleira – disse Augusto Pestana.

Ele foi palestrante principal, nesta quinta-feira, no II Seminário de Negócios Internacionais do Paraná, evento organizado pelo World Trade Center (WTC) Curitiba, que abrange a Região Sul e é presidido pela empresária catarinense Daniella Abreu.

O presidente da Apex também defendeu integração maior entre o setor produtivo e a área diplomática do país para ampliar a internacionalização da economia brasileira. Segundo ele, a Apex está fortalecendo trabalho com uso de inteligência de mercado para exportação. Também atua na atração de investimentos.

Continua depois da publicidade

Os argumentos de Augusto Pestana sobre o mercado indiano estão baseados em estudo recente feito pela ApexBrasil, o Perfil País. O trabalho, para facilitar a realização de negócios por parte de empresas brasileiras, inclui informações como oportunidades de negócios brasileiros no país, macroeconomia, balança comercial, principais concorrentes e fornecedores, governança, investimentos, acordos internacionais de comércio e outras informações.

Também palestrante no evento, o vice-conselheiro sênior para Assuntos Comerciais na Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, Joel Reynoso, falou sobre negócios entre os dois países. Disse que os EUA são o segundo maior destino das exportações brasileiras e também que o Brasil é o 19º maior investidor no mercado americano. O comércio bilateral entre os dois países somou US$ 70,5 bilhões em 2021.

Ao encerrar o evento, Daniella Abreu defendeu a importância da indústria para o Brasil, mais atração de investimentos e internacionalização de negócios.

– O WTC Curitiba, como representante líder dessas empresas no Sul do Brasil, está sempre à disposição para fomentar eventos como esse, em nossos encontros mensais dos cinco grupos temáticos de competitividade – afirmou Daniella Abreu.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total