nsc
nsc

Perda de produção

Ministra diz em SC que vai transformar a Conab em agência de inteligência agrícola

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
12/01/2022 - 20h16 - Atualizada em: 12/01/2022 - 23h24
Ministra Tereza Cristina e o secretário de SC, Altair Silva
Ministra Tereza Cristina e o secretário de SC, Altair Silva (Foto: Vinicius Schneider, Secom, Divulgação)

Em encontro com lideranças catarinenses em Chapecó, na tarde desta quarta-feira, para avaliação de perdas agrícolas em função da seca, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, informou que o governo vai transformar a Conab, Companhia Nacional de Abastecimento, em agência de inteligência agrícola. Uma das funções será estudar soluções para desafios climáticos. Cerca de 400 lideranças participaram da reunião no Centro de Eventos Plínio de Nes.

Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Entre as autoridades presentes, estavam o governador de SC Carlos Moisés, a vice-governadora Daniela Reinehr, os senadores Esperidião Amin e Jorginho Mello, e o secretário de Agricultura de SC, Altair Silva. Dezenas de parlamentares, prefeitos e lideranças do agronegócio também acompanharam o evento.

A ministra informou que está visitando os quatro estados atingidos pela seca para conhecer a situação e avaliar o que a pasta pode fazer. Ela esteve hoje também no Rio Grande do Sul, e amanhã vai ao Paraná e Mato Grosso do Sul. Veio acompanhada dos presidentes da Conab, Guilherme Sanches Ribeiro, e da Embrapa, Celso Moretti, entre outros executivos. 

Um dos defensores da criação de uma agência de inteligência agrícola nacional é o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado (Faesc), José Zeferino Pedrozo, que também esteve no encontro. Para ele, entre as funções dessa instituição uma deveria ser cuidar da oferta de produtos agrícolas ao país. Outro líder de SC que defende esse tipo de agência estratégica é o presidente do Sindicato das Indústrias de Carnes (Sindicarne) José Antônio Ribas Junior.

A última estimativa de perda agrícola em SC com a seca nas regiões mais atingidas é de receita superior a R$ 1,5 bilhão. O problema climático é causado pelo fenômeno La Niña e tem ocorrido nos últimos três anos no Estado.

Ainda para este mês, as previsões de chuvas não são favoráveis. Segundo o meteorologista da Epagri Ciran, Clovis Correa, a estimativa para o mês de janeiro é de chuvas abaixo da média no Oeste de SC, o que pode ser insuficiente para o cultivo agrícola. Segundo ele, a região terá chuvas insuficientes até março.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas