Entre os amigos que Walter Orthmann, o trabalhador mais longevo do mundo na mesma empresa, recebeu nesta terça-feira, na comemoração de 100 anos, em Brusque, estava o também brusquense, o bilionário Luciano Hang. O empresário falou sobre a longa amizade que eles mantêm há décadas e, como estava na empresa empregadora de Walter Orthamann, a indústria RenauxView, que fabrica tecidos para moda, aproveitou para defender redução da carga tributária do setor de transformação no país. Segundo Hang, o ideal seria uma carga tributária ao setor parecida com a dos Estados Unidos, que atualmente vai de 6% a 9%, enquanto no Brasil supera 20%.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

– Eu entrei na Fábrica Renaux (empresa concorrente da RenauxView) com 17 anos. Seu Walter já era famoso como um grande vendedor. E ele continua sendo um vendedor até hoje. Toda vez que eu encontro o seu Walter, ele diz que a grande felicidade dele é o trabalho. Nós temos que levar para o brasileiro que trabalhar é vida, trabalho é alegria. Seu Walter, com 100 anos, 84 anos de empresa, pode mostrar para os brasileiros que nascem hoje que vale a pena trabalhar – afirmou Luciano Hang.

O empresário disse também que é preciso resgatar a indústria brasileira. Segundo ele, o país só perdeu o setor por causa da alta carga tributária. A indústria do Brasil, do portão para dentro vai muito bem. O problema é do portão para fora, com excesso de burocracia e alta carga tributária, observou. Para ele, foi um erro estratégico do Brasil transferir as fábricas nacionais para o Oriente, para a China. Hoje, por exemplo, o mundo todo está sofrendo com a falta de insumos, por isso a alta da inflação.

– Eu sou o maior comprador das indústrias locais. Cama, mesa, banho, confecções: 95% do que a Havan vende é comprado no Brasil. Nós temos que privilegiar o que se produz aqui. Um país sem indústria é um país miserável – alertou o empresário.

Continua depois da publicidade

Conforme Hang, desde a plantação do algodão começa a contar o relógio dos impostos. Depois vem a fiação, a tecelagem, a malharia, tinturaria, confecção e o varejo. Na avaliação dele, é preciso pagar impostos só na ponta, no consumo, porque o país tem todos os insumos para cadeias produtivas completas, por isso pode desenvolver mais a indústria.

Destaques do NSC Total