nsc
nsc

Análise

Por que a inflação está alta e preços seguem pressionados

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
15/08/2021 - 09h08 - Atualizada em: 15/08/2021 - 09h17
Inflação no Brasil tem diversas causas
Inflação no Brasil tem diversas causas (Foto: Agência Brasil, divulgação)

Inflação alta é um problema relevante na trajetória da economia brasileira. Atualmente, apesar dos controles adotados pelo Banco Central com as metas, a pressão nos preços aparece com mais força no Brasil do que em outros países. As causas são diversas, mas o governo e BC também têm culpa.

> Receba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

No meio de 2020, a previsão de inflação anual para o Brasil não chegava a 2% quando a meta era de 4%. Depois disso, os preços começaram a subir acima do esperado em função do aumento de matérias primas, commodities e alimentos. O problema se agravou este ano com a retomada do crescimento econômico pós-pandemia no mundo todo.

São fortes as pressões nos custos de combustíveis e energia, com capacidade de disseminação. Em média, a gasolina e o diesel subiram mais de 25% nos sete primeiros meses deste ano. Tem o choque das commodities, que afeta preços das carnes e outros alimentos cotados em dólar, e as questões climáticas. O país enfrenta seca e teve geadas no Sul, que também impactam preços de alimentos.

Existe ainda o problema político, com um presidente que planeja gastos acima do que as condições fiscais permitem e cria conflitos com poderes, que impactam no dólar. Para analistas, sem esses conflitos, a moeda americana estaria um pouco acima de R$ 4,00 e não acima de R$ 5,00.

Além disso, o Banco Central deveria ter sido mais previdente e iniciado a alta da taxa básica de juros Selic para conter a inflação meses antes. O cenário segue com preços pressionados, apesar de dois novos fatores que podem causar recuo: o avanço da variante Delta da Covid-19 no mundo e o risco de racionamento de energia no último trimestre deste ano no Brasil. Enquanto a meta da inflação do ano é 3,75%, a taxa subiu 8,99% nos últimos 12 meses e a expectativa é de que feche 2021 em mais de 7%. 

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas