nsc
nsc

Produção em alta

Produção industrial de SC cresce 6% em agosto

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
08/10/2020 - 18h56
Imagem da Karsten, uma das empresas têxteis com maior
Imagem da Karsten, uma das empresas têxteis com maior atividade (Foto: Lucas Correia, NSC, BD)

Apesar da pandemia, a indústria catarinense segue retomada consistente. No mês de agosto, a produção do setor registrou crescimento de 6% frente ao mês anterior, a segunda maior alta do Brasil, de acordo com pesquisa do IBGE. Na comparação com o mesmo mês do ano passado teve recuo de -1,3%, na média do ano ficou em -11,9%, e nos últimos 12 meses, em -7,9%.

Empresa da Grande Florianópolis oferece mais de 300 vagas na área de teleatendimento

Segundo o IBGE, o crescimento no estado em agosto frente ao mesmo mês de 2019 foi puxado pelo setor de máquinas e equipamentos com alta de 23,6%, seguido por têxteis (11,9%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (11,0%), produtos de metal (6,6%) e celulose e papel (0,7%). As maiores quedas ocorreram em metalurgia, com retração de -15,8% e veículos, reboques e carrocerias com idêntico resultado (-15,8%), seguidos por produtos alimentícios (-10,4%), confecções e acessórios (-6,7%), minerais não-metálicos (-5,4%) e produtos de madeira (-2,9%).

No Brasil, a produção industrial de agosto teve alta de 3,2% frente ao mês anterior. Em relação ao mesmo mês do ano passado registrou queda de -2,7%, na média do ano o recuo ficou em -8,7% e em 12 meses caiu -5,7%. A maior alta frente ao mês anterior foi no Pará (9,8%), seguida por SC (6%), Ceará (5,7%), Rio Grande do Sul (5,2%), Amazonas (4,9%), São Paulo (4,8%) e Rio de Janeiro (3,3%).

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, tanto os resultados de produção estadual quanto nacional mostram uma retomada constante do setor desde abril, quando houve o maior baque causado pela pandemia. Na análise divulgada pelo Observatório da Indústria, da federação, Aguiar chamou a atenção pelo fato de que seis dos setores pesquisados apresentaram resultado superior ao do mesmo mês do ano passado. Segundo ele, boa parte da alta de 23,6% do setor de máquinas está ligada à maior demanda do setor agrícola impulsionada por exportações com dólar alto.

No setor têxtil, uma das razões é o aquecimento do mercado interno devido ao pagamento do auxílio emergencial. Mas a questão cambial também está influenciando, porém nas importações. O presidente da Marisol, Giuliano Donini, falou para a coluna há poucos dias que com o dólar alto desde o início do ano, muitas empresas optaram por adquirir produto nacional do que importar. Ele avalia que esse efeito seguirá até o primeiro trimestre do ano que vem, com mais empregos no setor de confecções, porque parte das roupas do próximo inverno que seriam importadas serão feitas no Brasil.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas