Teve muita correria e pressão nesta terça-feira para apresentação de emendas ao principal projeto que vai regulamentar a reforma tributária, o Projeto de Lei Complementar n° 68/2024. A deputada federal de SC, Júlia Zanatta (PL), conseguiu assinaturas para incluir emenda que alivia a carga tributária das cervejarias artesanais, que estão incluídas no Imposto Seletivo, conhecido como “Imposto do Pecado”.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Na noite desta terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovou regime de urgência para a votação desse PCL a partir desta quarta-feira, às 10h. Ao todo, mais de 430 emendas foram propostas ao projeto que institui o Imposto sobre Bens e Serviços  (IBS), a Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS) e o Imposto Seletivo (IS).  

A emenda de Júlia Zanatta sugere alíquotas gradativas para cervejarias artesanais a partir de volume de produção, e também a exclusão do Imposto Seletivo para empresas do Simples.

Para cervejarias com produção de até 1 milhão de litros por ano, é proposto no projeto da parlamentar um desconto de 100% da alíquota. Entre 1.000.001 e 3 milhões de litros por ano, desconto de 75%.

Continua depois da publicidade

Na produção de 3.000.001 a 5 milhões, 50% de desconto, entre 5.000.001 e 10 milhões, desconto de 25% e acima de 10 milhões de litros as cerverjarias serão tributadas totalmente pelo imposto seletivo.

– Formulamos essas medidas para promover um ambiente mais justo e propício ao crescimento das cervejarias artesanais, reconhecidas por sua contribuição econômica e cultural significativa. Com mais de 1.674 microcervejarias registradas no Brasil, o setor não apenas gera empregos diretos, mas também fortalece a economia local em centenas de municípios por todo o país – explicou Júlia Zanatta sobre as razões da emenda.

Outros setores econômicos se articularam e conseguiram incluir emendas ao PLC 68. Se acontecer como a aprovação da própria reforma tributária, poucos serão incluídos no projeto final. O plano é ter alíquota de 26,5% de Imposto de Valor Agregado (IVA), somando o IBS e a CBS.

O plano da Câmara é aprovar esses projetos de regulamentação da reforma tributária e enviar para o Senado. Mas enquanto uma parte defende a aprovação da lei ainda neste ano. Tem quem acredita que em função das eleições deste ano, o Senado só votará a regulamentação da reforma tributária em 2025.

Continua depois da publicidade

Leia também

Cofundador da “fábrica de arranha-céus” recebe a maior homenagem empresarial de SCSaiba qual foi o pleito do presidente da Fiesc a Milei em Balneário CamboriúDeputado lança plataforma que monitora evolução de obras do governo de SCVendas de veículos em SC crescem 18,6% no primeiro semestre, acima da média nacional

Destaques do NSC Total