Pelo segundo mês consecutivo, em maio, Santa Catarina alcançou receita superior a US$ 1 bilhão nas exportações. A cifra exata chegou a US$ 1,052 bilhão, o maior valor da série histórica mensal, segundo apuração do Observatório Fiesc, da Federação das Indústrias do Estado. No mesmo período, as importações somaram US$ 2,4 bilhões. De janeiro a maio, as vendas externas do Estado totalizaram US$ 4,6 bilhões, 22% mais do que nos mesmos meses de 2021.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

De acordo com o presidente da Fiesc, Mario Cesar de Aguiar, esse crescimento é resultado da maior inserção das empresas catarinenses no mercado internacional e, também, a maior cotação de produtos que são relevantes na pauta exportadora do Estado, que são das carnes de aves, madeiras, móveis e motores elétricos.

O industrial destacou que o preço do quilo de carne de ave, por exemplo, subiu 23% no acumulado de janeiro a maio deste ano frente ao mesmo período do ano anterior. A proteína de frango respondeu por 15,9% do total da receita de SC com vendas externas.

A receita maior lá fora também está ligada com a maior valorização de produtos com mais intensidade tecnológica que integram a pauta das vendas externas catarinenses. Segundo a economista do Observatório, Mariana Correia Guedes, este ano SC ampliou os volumes exportados desses produtos e reduziu os de itens de menor valor. Ela destacou que entre os itens de maior valor agregado estão motores elétricos, partes de motores e de máquinas e pigmentos.

Continua depois da publicidade

Os dados da balança comercial catarinense também mostraram que as vendas foram principalmente para mercados de países desenvolvidos, como os Estados Unidos países europeus. Os EUA foram o principal destino das vendas catarinenses no período de janeiro a maio, US$ 876 milhões, alta de 28,9% na receita ante o mesmo período de 2021. A China ficou em segundo lugar com US$ 547 milhões, retração de -31,6% na mesma comparação.

Destaques do NSC Total