nsc
nsc

Setor em expansão

SC tem três grupos supermercadistas entre os 20 maiores do Brasil

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
21/05/2021 - 08h09
Grupo Pereira, dono do Fort Atacadista, cresceu 20,5%
Grupo Pereira, dono do Fort Atacadista, cresceu 20,5% (Foto: Chan WeArt, Divulgação)

O tradicional ranking de maiores grupos supermercadistas elaborado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o Abras/SuperHiper, veio com mudanças para Santa Catarina na edição 2021, divulgada na noite desta quinta-feira. São três grupos entre os 20 maiores este ano - Pereira, Koch e Angeloni - enquanto em 2020 o Giassi também era destaque. O Grupo Pereira recuou de 5º maior para 8º maior porque as redes GPA e Assaí se dividiram e um paranaense teve maior expansão, e o Grupo Koch avançou do 20º lugar para o 16º em função da aceleração de investimentos. A liderança nacional seguiu com o Carrefour, que faturou R$ 74,7 bilhões em 2020.

Consumo potencial de SC é de R$ 243 bilhões em 2021 e Sul sobe no ranking

O maior de Santa Catarina é o Grupo Pereira, de Itajaí, dono das redes Fort Atacadista, Comper e outros negócios, que usa a razão social SDB Comércio de Alimentos. Fechou 2020 com faturamento de R$ 8,8 bilhões, um crescimento de 20,5% frente aos R$ 7,3 bilhões de 2019. Apesar dessa expansão, perdeu posição no ranking porque houve a divisão das redes Assaí (R$ 34,9 bilhões) que ficou em segundo lugar, e GPA (R$ 31 bilhões), em terceiro lugar. Além disso, a rede Muffato, do Paraná, acelerou crescimento e alcançou faturamento de R$ 9 bilhões, um pouco maior que o da catarinense.

A segunda maior empresa de SC no ano passado foi o Grupo Koch, de Tijucas, dono das redes Koch e Komprão. A empresa obteve em 2020 faturamento de R$ 3,2 bilhões, 53,4% maior que no ano de 2019, quando alcançou R$ 2,08 bilhões. Assim, subiu três posições no ranking após saltar da trigésima para a vigésima no levantamento anterior.

O Grupo Angeloni ficou na 19ª posição na lista, com faturamento de R$ 2,9 bilhões. Obteve crescimento de 4,3% frente ao ano anterior, quando teve receita bruta de R$ 2,78 bilhões.

A expansão menor de redes tradicionais mostra o impacto do modelo atacarejo, que leva mais pessoas a buscar preços menores. Além disso, em 2020, houve o impacto da pandemia, que levou muitos consumidores a migrar de grandes redes para pequenas, nos seus bairros, com compras via Whatsapp ou por outros sistemas digitais.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas