nsc
    nsc

    Professor Wander

    Dono da piscina com suástica nazista permanece inscrito como candidato nas Eleições 2020

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    15/10/2020 - 05h00
    Como mantém símbolos nazistas dentro de casa, Pugliesi nunca respondeu processo
    Como mantém símbolos nazistas dentro de casa, Pugliesi nunca respondeu processo (Foto: Divulgação)

    O professor de História Wander Pugliesi, que desenhou uma suástica nazista na piscina de casa, permanece inscrito como candidato a vereador em Pomerode uma semana após o Partido Liberal anunciar a expulsão dele. O PL havia informado que também cancelaria o pedido de registro da candidatura nas Eleições 2020, o que ainda não ocorreu.

    > Receba as notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp. Clique aqui e entre no grupo do Santa.

    Com o nome de urna Professor Wander, o processo de registro no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) segue o rumo normal. A última movimentação no sistema burocrático da Justiça Eleitoral ocorreu nesta quarta-feira (14). Ou seja, o pedido permanece ativo.

    Segundo Alexandro Fernandes, que atua na coordenação das campanhas do PL no Médio Vale do Itajaí, o diretório do partido em Pomerode ainda está providenciando a substituição do candidato. Na semana passada, o comando estadual da legenda havia anunciado a expulsão "por não compactuar ideologicamente com o filiado”.

    > O que os candidatos a prefeito de Blumenau acrescentam às Eleições 2020 e quais os pontos fracos de cada um.

    Após o anúncio da decisão, o candidato excluiu o perfil de Facebook onde publicava fotos e vídeos repletos de símbolos nacionais e o número na urna.

    Professor em Blumenau

    Profissional conhecido em Blumenau e região, Pugliesi lecionou por décadas em escolas de Ensino Médio e cursinhos preparatórios para exames de vestibular. Em 1998, teve livros e materiais com suásticas apreendidos pela Polícia Federal, mas nunca foi condenado criminalmente.

    A foto da suástica na piscina foi feita de helicóptero, em 2014, por policiais que atendiam a uma ocorrência de assalto em Rio dos Cedros e sobrevoaram o sítio do professor, no interior de Pomerode. Pugliesi não chegou a ser denunciado porque a polícia, à época, considerou que ele não fazia propaganda nazista ao manter o símbolo dentro de casa.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas