Em algum momento da vida escolar, toda criança de Blumenau é convidada a abrir as gavetinhas da coleção de borboletas depositada no interior do Museu de Ecologia Fritz Müller, na Rua Itajaí. Parte da diversão é não saber se surgirão bichinhos coloridos ou besouros assustadores a cada compartimento trazido à luz. 

Trata-se da experiência mais interativa que a antiga casa do naturalista oferece. Talvez por isso, ao menos para mim, o nome dele sempre esteve relacionado ao passeio da escola e àquelas gavetas — mesmo que nunca tenham pertencido à família, foram doadas ao museu bem depois.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

O amigo de Charles Darwin, o Príncipe dos Observadores, o Sábio, o Doutor Müller… Ouve-se falar muito do velho Fritz na cidade e no Estado, mas sempre em contornos heróicos que pouco ajudam a compreender, de fato, o sujeito que completa 200 anos nesta quinta-feira (31). Ele é tratado como um monumento, e não um antepassado humanamente singular.

Fritz viveu e trabalhou em Blumenau e Florianópolis, mas visitou e tem conexões importantes com a região de Rancho Queimado e Águas Mornas, com os campos de Curitibanos, com o Planalto Norte, em São Bento do Sul, com a região portuária de São Francisco do Sul, com a praia de Armação da Piedade, em Governador Celso Ramos… É um personagem estadual, de fato, mas desconhecido da maioria dos catarinenses.

Continua depois da publicidade

Em 2007, o escritor, cronista e professor Maicon Tenfen publicou um texto no Jornal de Santa Catarina questionando por que a estátua de Fritz Müller, na Rua São Paulo, calçava sapatos. Era uma provocação sobre quem, afinal, Blumenau queria homenagear: o verdadeiro Fritz ou aquele que gostaria que ele fosse? Dez anos mais tarde, quando procurava um personagem para escrever uma biografia, lembrei do texto do Maicon. E encontrei muito mais do que sapatos contradizendo a estátua. 

O especial Caminhos de Fritz Müller, publicado aqui no Santa e, entre 28 e 31 de março, na NSC TV, apresenta uma parte dessa pesquisa, que continua e só deve ser concluída em 2023 para publicação em livro.

> Acesse o especial Caminhos de Fritz Müller

Voluntários

As pessoas que atuam na preservação da memória de Fritz Müller em Santa Catarina são, na maioria, voluntárias. Gente como o ambientalista Lauro Bacca e o empresário Marcos Schroeder, presidente do Instituto Histórico de Blumenau. Como o médico neurologista Cezar Zillig, cujo trabalho popularizou a relação com Charles Darwin, e o também médico e biólogo paulista Luiz Roberto Fontes, tradutor de Für Darwin. A historiadora Ana Maria Moraes, de tanto pesquisar, fala de Fritz como alguém da família.

A divulgação que o cientista tem hoje em Florianópolis é fruto do empenho, iniciado há mais de uma década, dos professores Margherita Barraco e Alberto Lindner, da UFSC. Mais recentemente, do Grupo Desterro Fritz Müller-Charles Darwin 200 Anos.

Continua depois da publicidade

Graças a instituições como o Arquivo Histórico José Ferreira da Silva, em Blumenau, a Biblioteca Pública do Estado, na Capital, e a Universidade de Cambridge, na Inglaterra, entre várias outras, centenas de documentos relacionados ao naturalista continuam preservados. Um trabalho silencioso que permitiu a novas gerações de pesquisadores cavar e traduzir materiais inéditos, ampliando o universo de Fritz aos olhos contemporâneos.

Valorizar o trabalho dessas pessoas e instituições é preciso, assim como profissionalizar e dar continuidade à preservação da memória de Fritz Müller. Universidades, órgãos de fomento da ciência, empresas e órgãos governamentais têm de assumir maior parcela da responsabilidade.

Se uma coleção de borboletas que nem mesmo a ele pertenceu e uma crônica de jornal me conectaram à trajetória de Fritz para sempre, imagine o que toda a celebração desse 2022 e investimentos em ciência inspirados no naturalista poderão produzir no futuro.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Vereador petista de Blumenau assumirá cadeira na Assembleia Legislativa

Continua depois da publicidade

Aeroporto de Blumenau está mais perto de receber voos noturnos

Documentos explicam operação na prefeitura de Blumenau

Crise no MEC ameaça devolver federalização da Furb à geladeira

Destaques do NSC Total