nsc
    nsc

    MENOS DOSES

    Previsão furada do Ministério da Saúde travou vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    03/04/2021 - 07h00 - Atualizada em: 03/04/2021 - 08h15
    Estado enviou 60 mil doses de Coronavac aos municípios para idosos entre 65 e 69 anos
    Estado enviou 60 mil doses de Coronavac aos municípios para idosos entre 65 e 69 anos (Foto: Patrick Rodrigues)

    Um corte na previsão de fornecimento de vacinas contra a Covid-19 pelo Ministério da Saúde é o principal motivo da parada abrupta na imunização em Santa Catarina nos últimos dias. Em abril, virão metade das doses de Coronavac inicialmente previstas. Isso 10 dias após o ministério garantir que haveria regularidade nas entregas, dispensando a reserva de estoques para segunda aplicação.

    > Receba notícias de Blumenau e região pelo Whatsapp.

    Desde quarta-feira (31), quando um lote com 309.050 doses foi anunciado para SC junto com o corte, Estado e municípios precisaram reorganizar os próximos passos da campanha. Brasília carimbou 94% da remessa para aplicações de segunda dose. Restariam menos de 5 mil para pacientes novos.

    O que está havendo é um pé no freio para evitar falta de doses de Coronavac e completar a imunização dos catarinenses atendidos em março. Isso fica claro na nota técnica enviada pelo governo do Estado aos municípios na noite de sexta-feira (2). Pelos números informados, 404,6 mil doses da vacina produzida pelo Instituto Butantan chegaram aos municípios entre 17 e 27 de março. Agora, é preciso garantir um estoque igual para a segunda dose. Somando-se o que já chegou com os 163,5 mil ainda aguardados para abril, sobram apenas 50 mil imunizantes para primeira dose.

    > SC exclui profissionais de academias, estética e saúde animal da prioridade de vacinação contra a Covid-19

    Feitas as contas, a Secretaria de Estado da Saúde decidiu repassar de imediato aos municípios 60 mil unidades de Coronavac para primeira dose em idosos de 65 a 69 anos, evitando uma interrupção prolongada na campanha. Essa diferença de 10 mil doses terá de ser compensada por remessas futuras ainda não garantidas. Também chegarão às prefeituras, a partir deste sábado (3), vacinas de segunda dose aos pacientes vacinados entre 17 e 19 de março.

    No lote de 309 mil imunizantes recebido esta semana pelo Estado há também 18.250 unidades da vacina da Astrazeneca, a serem aplicadas em quem recebeu a primeira dose entre janeiro e o início de fevereiro. Veio ainda um quantitativo pequeno de Coronavac para imunizar forças de segurança envolvidas com a Covid-19, mas as doses permanecerão na central do Estado até as "instituições envolvidas direcionarem o destino" delas.

    > Cidades de SC interrompem vacinação contra o coronavírus na Páscoa.

    Astrazeneca

    O avanço da imunização, no mês de abril, dependerá da chegada de mais vacinas da Astrazeneca, produzidas pela Fiocruz. O Ministério da Saúde informou que planeja enviar aos estados cerca de 20 milhões de doses até 1º de maio — na previsão inicial seriam 30 milhões. 

    Semana após semana, os números de Brasília são desmentidos pela dura realidade, expondo a falta de coordenação nacional e transformando o Plano Nacional de Vacinação em peça ficcional. Após a confusão dos últimos dias, com informações desencontradas e cidades parando a campanha no feriado de Páscoa, Santa Catarina parece estar reivindicando certa autonomia na distribuição das doses aos municípios. Outros estados já foram mais longe neste sentido.

    Sinal inequívoco de que o Ministério da Saúde, referência internacional em campanhas de imunização, está com a credibilidade arranhada.

    Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas