nsc
    nsc

    A magia do 10

    Vi jogar! E como era bom ver Maradona jogar

    Compartilhe

    Faraco
    Por Faraco
    25/11/2020 - 16h20 - Atualizada em: 25/11/2020 - 16h34
    Maradona levanta a Copa do Mundo de 1986, no México
    Maradona levanta a Copa do Mundo de 1986, no México (Foto: reprodução/ FIFA)

    Moradona se foi nesta triste quarta-feira. O futebol lamenta e vive sob o impacto da notícia devastadora. Justamente numa quarta-feira, tradicional dia de grandes partidas, dia de jogo do Boca, o time do coração dele.

    > Diego Maradona morre na Argentina aos 60 anos

    O Diez, o Dios, está e vai ficar pra sempre. Maradona é pra sempre. Mágico e encantador, foi destes que só aparecem de muito em muito tempo. E era canhoto, para deixar claro que havia chegado para inverter qualquer lógica dentro de um campo de futebol.

    O futebol é esporte coletivo, mas quando surge um talento como Maradona todos desejam que seja muito individual. A bola tinha que chegar nele. Era nos pés dele que estava o encantamento. E chegando nele a magia estaria feita.

    > "Um dia vamos bater bola no céu", diz Pelé sobre morte de Maradona

    Ver Maradona com a bola fazia hipnotizar qualquer fã. Fazia apaixonar ainda mais. Mesmo que fosse somente o Diez brincando com a bola, nos aquecimentos que viravam show particulares – sim, porque ele também gostava de se exibir.

    Alguns dos capítulos mais fantásticos da história do futebol foram escritos por ele. A rebeldia e a expulsão contra o Brasil em 1982. O show espetacular das atuações da Copa dele, a Copa do México, em 1986, com direto ao épico jogo contra a Inglaterra, em se vestiu de pátria Argentina contra os ingleses para vingar a guerra das Malvinas. 

    > Atletas e celebridades lamentam morte de Maradona

    Em 1990, a semifinal em Nápoles, contra o Itália do Napoli, time que ele defendia e era ídolo. Ainda em 1990, castigando a defesa da Seleção Brasileira, para deixar Caniggia cara a cara com Taffarel. E em 1994, a despedida com cara de vilão e o doping nos Estados Unidos.

    E assim era Maradona. Ídolo, mito, herói de um povo e ao mesmo tempo vilão dele mesmo. Mas acima de tudo mágico e encantador. Vi jogar! Que bom que vi jogar!

    Leia mais

    > Mundo perde um gênio do futebol latino-americano

    > Nos 80 anos de Pelé, relembre as 5 passagens do rei por SC

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas