Ao menos 18 obras em Blumenau contempladas pelo Plano 1000, programa de investimentos em infraestrutura criado no governo Carlos Moisés (Republicanos), estão na berlinda. Pactuadas na gestão passada, as intervenções correm o risco de ficarem pelo caminho se o Estado, agora sob a liderança de Jorginho Mello (PL), não der sequência aos repasses de recursos iniciados e prometidos lá atrás. A lista (veja abaixo) inclui pavimentação de ruas, construção de pontes, macrodrenagem e contenções.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região por WhatsApp

Algumas dessas obras já pararam porque a fonte do dinheiro secou. No apagar das luzes de 2022, uma portaria assinada ainda pelo governo Moisés suspendeu os repasses do Plano 1000 que não tiveram a primeira parcela, ou parcela única, paga até o final do ano. Durante a tradicional mensagem de abertura do ano legislativo, no início de fevereiro, Jorginho confirmou o congelamento das transferências, alegando estar atendendo a uma orientação do Ministério Público.

No caso de Blumenau, o represamento, neste momento, chegaria a R$ 45 milhões, segundo o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos). A situação tem provocado dor de cabeça não apenas nele, mas nos demais gestores da região. Na quarta-feira (8), uma comitiva da Associação dos Municípios do Vale Europeu (Amve) tratou do assunto com o secretário de Infraestrutura, Jerry Comper (MDB). O encontro, agendado pelo deputado Napoleão Bernardes (PSD), teve ares de tensão, segundo interlocutores.

Os prefeitos reforçaram a necessidade da sequência dos repasses – é neles que o calo aperta, já que a interrupção das obras leva a cobranças dos moradores e pressão de associações da sociedade civil. No encontro, porém, ouviram que existe a possibilidade de o Estado rever a modalidade de parte dos repasses das obras que já estão em andamento. Traduzindo: isso representaria mudar o caminho do dinheiro, o que tornaria tudo mais burocrático, com risco de novos e maiores atrasos.

Continua depois da publicidade

— Nossas obras estão corretas, tanto é que temos licitação, parecer da procuradoria, todo o processo e o rito normal seguiram na prefeitura. A gente venceu esse rito. Isso tem que ficar claro — defende Hildebrandt.

A Amve pediu uma nova reunião com as secretarias de Infraestrutura e Fazenda do Estado para retomar a discussão. Ela deve acontecer ainda em março, mas por enquanto não há data definida.

Risco de atraso

Veja a lista de obras em Blumenau que podem parar sem os repasses

– Pavimentação da Rua Walter Berner: 84,8% executada

– Construção de ponte da Rua Hermann Baehr: 71,2% executada

– Reforma na infraestrutura do Parque Vila Germânica: 70% executada

– Implantação de macrodrenagem na Rua Paulo Kuehnrich: 58,1% executada

– Construção de contenção nas ruas Caçapava e Otília Pasold: 40,1% executada (aguardando repasse da segunda parcela)

– Construção de ponte na Rua Helmund Trapp: 35,2% executada

– Pavimentação da Rua José Reuter: 27% executada

– Pavimentação da Rua Arnoldo Beck: 24,7% executada (aguardando repasse da segunda parcela)

– Construção de ponte na Rua 7 de Setembro (antigo Farol Lanches): 22,4% executada (aguardando repasse da segunda parcela)

Continua depois da publicidade

– Pavimentação da Rua Paulo Zingel: 20% executada

– Reforma da ponte na Rua Paraíba: 12,8% executada

– Construção de ponte na Rua Bruno Kimmichs: 12,7% executada

– Construção do Complexo Viário e ponte da Rua Maike Andresen Deeke: 7,5% executada

– Implantação de macrodrenagem na Rua Divinópolis: 3,7% executada

– Reforma da ponte na Rua Eng. Udo Deeke: 3,4% executada

– Execução de pontes e acessos na rua Santa Terezinha: 1% executada

– Pavimentação da Rua Paulo Zingel Filho: aguardando ordem de serviço

– Implantação de macrodrenagem na Rua Araranguá: aguardando ordem de serviço

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Projeto de nova área de lazer na Vila Itoupava em Blumenau avança mais uma etapa

Ambev bate Heineken em disputa histórica pela Oktoberfest Blumenau

Ambev contesta licitação da cervejaria da Oktoberfest Blumenau, mas ouve “não”

Revelado o mistério do ovo de Páscoa gigante em Blumenau

Destaques do NSC Total