Lançado nesta segunda-feira (22) pelo governo Lula 3, o programa Nova Indústria Brasil, que pretende destinar R$ 300 bilhões em financiamentos para estimular o setor até 2026, foi inicialmente bem recebido pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc). O presidente da entidade, Mario Cezar de Aguiar, considera “muito bem-vindas” medidas que buscam favorecer a atividade produtiva.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região por WhatsApp

— Logicamente é um documento bastante extenso, que tem que ser bem avaliado. Mas inicialmente avaliamos como uma medida muito boa para a indústria brasileira e principalmente catarinense — considera o dirigente, que acrescenta que o setor precisa ser capitalizado para poder inovar.

Dúvidas dos industriais catarinenses sobre a iniciativa devem ser esclarecidas nesta sexta-feira (26), quando o vice-presidente e ministro de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), participará de reunião da Fiesc em Florianópolis. Durante o encontro, a entidade entregará a Alckmin um documento com uma lista de demandas da indústria catarinense. Como é praxe, necessidades ligadas à infraestrutura serão destaque.

O programa

O Nova Indústria Brasil se valerá de subsídios, empréstimos com juros reduzidos e incentivos tributários para fomentar setores considerados estratégicos da economia, como agroindústria, saúde, infraestrutura urbana, tecnologia da informação, bioeconomia, saneamento, mobilidade e defesa. A maior parte dos recursos virá do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

Continua depois da publicidade

O programa tem seis missões ligadas à modernização do parque industrial nacional, transição ecológica e ampliação da autonomia. Algumas das metas incluem a ampliação da produção de remédios, vacinas e equipamentos e dispositivos médicos, aumentar a mecanização da agricultura familiar e diminuir o tempo de deslocamento das pessoas de casa para o trabalho, além de uma maior digitalização das empresas.

Leia também

SC será a casa da maior premiação de queijos do Brasil

Ranking dos maiores supermercados de SC tem “dança das cadeiras” em 10 anos

Número de investidores de SC na Bolsa cai em 2023

Grupo estrangeiro estuda três cidades de SC para instalar hoteis

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp

Destaques do NSC Total