nsc
    nsc

    Transporte coletivo

    Entenda por que os ônibus de Blumenau não circulam com catraca livre nas paralisações

    Compartilhe

    Pedro
    Por Pedro Machado
    26/02/2020 - 11h08 - Atualizada em: 26/02/2020 - 13h09
    Blumob
    Sistema sofreu paralisação parcial na manhã desta quarta-feira (Foto: Patrick Rodrigues)

    Sempre que motoristas e cobradores de ônibus de Blumenau decidem paralisar as atividades, integralmente ou de forma parcial, como ocorreu na manhã desta quarta-feira (26), a questão vem à tona: por que a categoria não circula com catraca livre? Muitos usuários acreditam que essa seria uma maneira de se manifestar sem prejudicar a população que depende dos coletivos. Alguns também sustentam que fazer a Blumob “sentir no bolso” seria um mecanismo mais eficiente de pressão.

    Há alguns motivos para que isso não aconteça. A começar pelo fato de os ônibus serem propriedade privada, já que eles pertencem à empresa concessionária. Rodar sem cobrança de tarifa poderia ser considerado uma espécie de sequestro de bens, o que traria consequências jurídicas mais graves para o sindicato. A entidade, que sabe disso, alega que dependeria ou de aprovação judicial ou da prefeitura para implantar a catraca livre, e já disse que adotaria a medida se tivesse aval.

    A prefeitura, por outro lado, tratou a alternativa como “demagogia” em nota oficial divulgada na noite de terça-feira (25), alegando que os usuários teriam de pagar a conta. Não existe uma lei municipal que impeça a catraca livre, mas ela representaria, para a empresa concessionária, abrir mão de receita. Os gastos com combustível e manutenção dos veículos sem a remuneração, por exemplo, seriam considerados no processo anual de revisão tarifária — que ocorre sempre em dezembro. Na prática esses valores seriam compensados lá na frente, possivelmente com impacto maior no aumento da passagem.

    Segundo a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes, o sistema roda hoje cerca de 48 mil quilômetros por dia, com custo médio de R$ 4,85 por quilômetro percorrido. Um dia normal inteiro de catraca livre resultaria em uma renúncia de receita de R$ 232,8 mil.

    Acesse também:

    Como tirar a umidade de casa e por que esse fenômeno acontece

    Veja cinco praias para descansar no Litoral Norte de SC

    Riacho em Indaial oferece espaço de lazer nos dias quentes de verão

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas