nsc
    nsc

    Economia

    Ideia de negócio: como empresa de Blumenau inventou ralo inovador

    Compartilhe

    Pedro
    Por Pedro Machado
    10/09/2018 - 04h55 - Atualizada em: 10/09/2018 - 09h27
    Regina Montandon, diretora-executiva da Ralo Linear, quer ampliar exportações (Foto: Marco Favero)

    Quando o produto é inovador, o ponto de partida para a exportação não necessariamente vem do próprio fabricante. Foi o que aconteceu com a Ralo Linear, empresa de Blumenau que, como o nome sugere, desenvolve ralos de formato linear aplicados em banheiros e áreas que precisam de escoamento de água.

    Curta Pedro Machado no Facebook​​​​

    Leia mais notícias de Pedro Machado​​

    Ao expor sua linha na Expo Revestir, uma das principais feiras dos segmentos de decoração e construção civil da América Latina, a companhia chamou a atenção da clientela estrangeira ao ponto de ser praticamente “intimada” a exportar, lembra a diretora-executiva Regina Montandon.

    Foi um salto e tanto para uma empresa que nasceu quase por acaso. Salmo Souza, um comerciante de longa data, um dia se deparou com um problema que chegou até o balcão de sua loja. Um cliente havia comprado pisos de porcelanato de grandes dimensões, mas não queria ter de cortar as peças para criar a queda necessária para instalar um ralo comum. Souza, então, desenhou um produto sob medida, na tentativa de resolver o impasse. Funcionou. 

    Em 2009 a invenção, já patenteada, ganharia um importante prêmio de design. Foi a chancela necessária para atestar sua viabilidade comercial. A Ralo Linear foi fundada em 2011 com foco no mercado doméstico. Mas logo diferenciais de sua linha, como facilidade de instalação e eliminação do mau cheiro, comum em modelos mais simples de ralos, despertaram o interesse de um distribuidor com atuação na Costa Rica, que passou a pedir pelo produto. 

    Mesmo diante da insistência, a empresa não se afobou e seguiu a cartilha dos exportadores de primeira viagem para não correr riscos. Buscou consultoria especializada para se cercar de informações confiáveis, se estruturou para atender as regulamentações técnicas de outros países e mapeou e visitou potenciais destinos onde a aceitação do produto seria mais rápida. Não por acaso, as vendas hoje vão para sete destinos da América Latina, onde o sistema construtivo é mais compatível com o que é adotado no Brasil.

    Planejamento inovação e marketing

    Sem revelar o faturamento em valores, Regina diz que a Ralo Linear cresceu 65% em 2017 e 61% no primeiro semestre do ano, mesmo com a economia brasileira – e a construção civil – ainda patinando. Para dar conta da demanda, a empresa está expandindo as instalações na fábrica de Blumenau, onde são feitas 14 mil peças por mês. No comércio internacional, a meta é ampliar a fatia das exportações, hoje em 4% das receitas, para 30% em dois anos.

    Veja também: 

    90% das exportadoras de SC vão vender mais para o exterior neste ano e em 2019 

    54% da receita líquida da WEG vem de exportações 

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas