A supercoligação que está se criando ao redor de Egídio Ferrari (PL) para a eleição a prefeito de Blumenau deixou o Podemos com poucas opções. No que hoje dá para chamar de campo de centro-direita – embora muitas as vezes as siglas já não sejam mais fiéis às suas origens –, PP, União, Republicanos, PSDB e PRD já orbitam em torno do deputado estadual.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Oficialmente, restaria ao Podemos, entre os partidos de maior envergadura, apenas o MDB para uma eventual composição, mas a sigla também se encaminha para fechar com Ferrari, que admite as conversas. O cenário isola a legenda, mas parece não demover o ex-vereador e ex-deputado estadual Ricardo Alba de desistir do páreo.

Já anunciado, Alba ainda banca a pré-candidatura, mesmo se ela vier em chapa pura. Diz que o partido terá nomes em 112 cidades catarinenses e que Blumenau é uma delas. A esta altura, ele se apega principalmente ao capital político adquirido na ainda curta carreira: foi o deputado estadual mais votado em 2018 e fez 20 mil dos 49 mil votos a deputado federal na cidade dois anos atrás.

— Mesmo se não houver coligação, nós lançaremos a nossa candidatura própria, mostrando que dá para fazer diferente — defende.

Continua depois da publicidade

Alba continua com a língua afiada, característica que o marcou durante as manifestações que pediam o impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT) e acabou o catapultando para a política. Em uma postagem nas redes sociais, escreveu que “aqueles que estão no poder há 20 anos encontraram um rosto novo para tentar permanecer ainda mais no poder”.

A alfinetada não tem destinatário especificado, mas é dirigida justamente à aliança que deve afiançar a candidatura de Ferrari. “Eu sou daqueles que preferem andar sozinho do que mal acompanhado”, emendou o ex-deputado.

Apesar da acidez no ambiente digital, Alba refuta o rótulo de franco atirador e garante que fará uma “campanha propositiva”. Mesmo não sendo exatamente um novato na política e com uma candidatura a prefeito nas costas em 2022, ele se apresenta como um “novo rosto” contra o “os velhos conchavos e velhos caciques”. A conferir se o discurso vai colar.

Leia também

Rodoviária de Blumenau deve ter investimento de R$ 144 milhões para mudar de cara

Mudanças no primeiro escalão em Blumenau têm duas novidades e a volta de quem não foi

Projeto milionário para dar nova vocação a antigo estaleiro de SC avança mais um passo

Maria Regina diz “sim” e será candidata a vice de Egídio Ferrari em Blumenau

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp

Destaques do NSC Total