nsc
nsc

Inovação

Produtos criados por alunos rendem inédito pagamento de royalties à Furb

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
29/04/2022 - 07h18
Vinícius Cardoso é um dos autores de uma das luminárias
Vinícius Cardoso é um dos autores de uma das luminárias (Foto: Daniel Zimmermann, Divulgação, BD)

Dois produtos que nasceram dentro da Furb vão render à universidade blumenauense um inédito pagamento de royalties. São modelos de luminárias projetadas em 2019 por alunos do curso de Design para um prêmio de inovação. As peças agradaram tanto que a empresa Blumenau Iluminação, que à época apoiou a iniciativa, as acrescentou em seu portfólio no ano passado.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Os desenhos foram devidamente patenteados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Graças ao registro, os autores agora receberão uma fatia do valor da venda de cada unidade. A Furb também abocanha um naco, de 2% sobre o preço. O pagamento ocorrerá a cada seis meses por um período de 25 anos ou enquanto os produtos permanecerem no catálogo da empresa.

O primeiro repasse será celebrado em uma cerimônia na próxima segunda-feira (2), data em que a Furb comemora 58 anos de fundação. A quantia é pequena: R$ 2.583,94. Mas o valor é o de menos, diz o professor Vinicyus Rodolfo Wiggers, coordenador da Agência de Inovação Tecnológica (AGIT) da universidade. 

Para ele, mais importante é mostrar que há potencial de sobra dentro do ambiente universitário e que aquilo que é ali desenvolvido tem aplicação na sociedade, gerando renda para professores, inventores e para a própria Furb. Ele diz que é a primeira vez na história de quase 60 anos da instituição que um projeto de inovação rende o pagamento de royalties.

— Dá para fazer parcerias e ganhar com elas — resume.

Além das duas luminárias, outro projeto com DNA da Furb também resultará em royalties. Trata-se de um caso de transferência de know-how para uma empresa carioca que desenvolve equipamentos para o setor elétrico. 

A companhia utiliza uma maleta de teste de energia em postes da rede de distribuição elétrica com tecnologia desenvolvida entre 2011 e 2013 por meio de um projeto de pesquisa e desenvolvimento à época financiado pela Celesc. Em 2020, os interessados fizeram contato com a Furb para aperfeiçoar a ferramenta.

Neste segundo caso, o primeiro pagamento de royalties será de R$ 12.510,34. A quantia equivale a uma taxa de R$ 10 mil pelo lote inicial mais 1,5% sobre o produto. Os repasses à universidade serão feitos por um período de 10 anos.

Segundo Wiggers, outros dois projetos da Furb estão na fila para serem contemplados com royalties em breve.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Revitalização da Rua XV de Novembro em Blumenau vai incluir transversais​​

Fechado há 10 anos, antigo galpão da Expofair em Blumenau terá novo destino

As fábricas de Santa Catarina que passaram dos 100 anos e continuam ativas

Casarão antigo de Blumenau é reformado e vai virar minicentro comercial

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas