O Estado de SC vem realizando auditorias em contratos firmados entre a Secretaria da Saúde e Organizações Sociais (OS). Fontes com quem conversamos garantem que até o dia 15 de julho, quinta-feira, o governo vai tomar uma decisão sobre o futuro de pelo menos três gestões que têm provocado muita insatisfação: Hospital Florianópolis e Hospital Regional de Araranguá, sob administração da mesma OS, e o Samu, dirigido por outra empresa. Por enquanto, o que vem por aí ainda é incerto.

Continua depois da publicidade

> Um fim de semana com doses a mais de otimismo contra Covid-19 em SC

> SC antecipa vacinação da Covid-19; veja quando você será imunizado

Os hospitais são muito importantes para as suas regiões, Grande Florianópolis e Sul, e fazem parte de uma relação de unidades ‘referência’ no tratamento à Covid-19. 

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), como o próprio nome sugere, também dispensa comentários. Assistência na ponta. Fundamental para os pacientes com gravidade em emergência. Há muitos anos, o Samu enfrenta polêmicas com reclamações de funcionários por salários atrasados e falta de condições de trabalho. 

Continua depois da publicidade

> Médicos alertam que Samu de SC está no limite: “Chegou a hora de resolver”

A oferta em saúde é de responsabilidade do Estado. Se as ‘parcerias’ não funcionam como o esperado que se tome providências. É o que está prestes a acontecer, se o tom da conversa entre as partes não mudar nos próximos dias.

Leia também

> SC vai equilibrar distribuição de vacinas contra Covid para garantir calendário

​​> O que fica proibido e liberado em SC com novo decreto contra Covid-19

> Pinguins são encontrados mortos com sinais de tortura em Florianópolis

> Pedágio no trecho Norte da BR-101 em SC vai ficar mais caro; veja quanto e quando

> Pagamento de pedágio em SC por celular está em estudo; entenda

Destaques do NSC Total