nsc
nsc

Preparados

Bandidos usaram carros blindados no assalto em Criciúma

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
03/12/2020 - 06h55 - Atualizada em: 03/12/2020 - 07h45
Carros blindados utilizados no assalto
Carros blindados utilizados no assalto (Foto: Diorgenes Pandini/ NSC)

A quadrilha que participou do assalto a banco em Criciúma na madrugada de terça-feira (1) utilizou veículos blindados. Dos dez carros usados no crime, nove eram blindados. A informação é do Delegado de Polícia Luis Felipe Fuentes, diretor da Deid (Diretoria Estadual de Investigações Criminais).

— Isso mostra como eles se planejaram e investiram muito dinheiro para fazer esse assalto — explica o policial.

Confira a entrevista para o programa CBN Total com o Delegado de Polícia Luis Felipe Fuentes, diretor da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais):

Desconforto

Há integração entre as polícias e isso é fundamental. Na medida em que a falta de efetivo e de infraestrutura já são uma realidade, o que se espera é integração total entre as forças de segurança. Mas a integração não é plena. Há dificuldade de compartilhamento das informações e uma disputa interna sobre qual instituição descobre algo ou prende os criminosos primeiro. O vídeo divulgado pela PM no início da tarde desta quarta-feira (2) do galpão utilizado pelos marginais na cidade de Içara não foi recebido com simpatia pela Polícia Civil. 

Leia mais:

Opinião: assalto a banco em SC exige uma resposta rápida das forças de segurança

Quadrilha ficou em Criciúma pelo menos três meses planejando assalto; entenda

SC anuncia toque de recolher em todas as cidades para conter a pandemia

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas