Os candidatos a reitor da UFSC que disputam o segundo turno na eleição no próximo dia 26 de abril selaram um acordo para evitar que o presidente Jair Bolsonaro não nomeie o mais votado. Irineu Manoel de Souza (Chapa Universidade Presente) e Cátia Carvalho Pinto (Chapa UFSC Viva) confirmaram o acerto no debate realizado nesta quinta-feira (14) no programa Conversas Cruzadas na CBN Florianópolis e Joinville.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

​> Quem são os responsáveis pela favelização dos Ingleses, em Florianópolis

O vencedor da eleição é quem irá escolher os outros dois nomes, de seu grupo político, para a nominata da lista tríplice que deverá ser encaminhada ao Planalto. Quem perder o pleito abre mão da disputa no Conselho Universitário (CUn).

De fato, qualquer um pode apresentar seu nome como candidato no CUn e é a eleição ali que vale para a formação da lista tríplice.

Continua depois da publicidade

A ideia, com o acordo, é fazer com que a vontade da comunidade acadêmica seja respeitada, mesmo se o presidente Bolsonaro não escolher o primeiro colocado. Caso ele escolhesse o 2º ou o 3º, que fariam parte do meu grupo político, estes abririam mão de assumir.

O presidente Bolsonaro rompeu a tradição de nomear o 1º colocado nos Institutos e Universidades Federais. O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o ocupante do Planalto não é obrigado a nomear o 1º colocado.

Veja o trecho do Conversas Cruzadas em que os candidatos confirmam o acordo:

Leia Mais:

Florianópolis terá duas provas do Ironman em 35 dias

Quem é o corretor de SC premiado entre líderes mundiais do mercado imobiliário

Sereia da Lagoa da Conceição será “expulsa” por conta de obra em Florianópolis

Destaques do NSC Total