nsc
nsc

Meio ambiente

O drama da estiagem em Santa Catarina

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
07/11/2020 - 07h06
Lagoa do Peri, em Florianópolis
Lagoa do Peri, em Florianópolis (Foto: Fernando Clark, Casan/Divulgação)

A crise hídrica vem se agravando ano após ano em Santa Catarina. É preciso um planejamento técnico de longo prazo para evitarmos problemas mais sérios. A estiagem é um fato, por isso, planejamento, controle social, investimentos e políticas públicas são absolutamente urgentes e necessárias.

>Cachoeira de rio “some” em Joinville com estiagem

Rios

Segundo a Epagri, 14 dos nossos principais rios estão em estado de alerta em Santa Catarina.  E os menores rios estão secos pela primeira vez na história.  Há 18 meses, segundo a Casan,  não tem o volume habitual de chuvas sobre Santa Catarina. Jamais a Lagoa do Peri, em Florianópolis, havia baixado um metro de altura, mesmo com redução de captação.

Chuva

O Paraná enfrenta racionamento de até 56 horas desde março. As mudanças climáticas são uma realidade, mas há quem continue achando que o fenômeno não nos atingiu. Santa Catarina voltará a ser um Estado chuvoso como sempre foi no passado? Ouvido pela coluna, o meteorologista  Leandro Puchalski  diz que “ao passar do anos SC vai continuar enfrentando períodos de estiagem e/ou seca. A questão é que o aquecimento global gera mudanças climáticas. A principal é intensificação dos extremos, ou seja, quando tivermos períodos muito chuvosos eles serão mais intensos. Só que quando tivermos secas, elas deverão ser mais fortes. Portanto, já passou o tempo de achar que a chuva resolve os nosso problemas. Ações práticas é que vão minimizar os problemas das secas que ficarão cada vez mais intensas”, conclui.

Aquíferos

Os nossos aquíferos estão sofrendo demais com a falta de chuvas, não recarregando como sempre ocorreu. Bombas que ficavam a 100 metros de profundidade estão tendo de ser baixadas. Os ambientalistas pedem para a Casan não abrir novos poços (no Campeche, por exemplo) devido à não recarga, o que só a chuva regular proporcionaria.

Perdas

Semana passada a coluna trouxe  a informação que, segundo o Instituto Trata Brasil, 37% da água tratada no país se perdem. A Casan informa que as perdas físicas em Santa Catarina variam entre 21% e 24 %. Precisa ser bem menor.

Desafios

A realidade socioeconômica do Brasil nos apresenta situações peculiares. Por aqui, as empresas de saneamento lidam com áreas de extrema vulnerabilidade social em que os leituristas são ameaçados de morte e se um técnico for cortar água igualmente será ameaçado. Os “gatos” geram prejuízo econômico para as empresas e há fraude em hidrômetros.

Caminhos

Seriedade, interesse público e planejamento de longo prazo nos ajudariam e muito.  Seja através da empresa pública ou privada,  ao cidadão, interessa que tenha água na torneira, de qualidade e preço justo.

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas