nsc
    nsc

    Política

    O Moisés da campanha não correria risco de impeachment

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    29/08/2020 - 11h19
    Encontro de Jair Bolsonaro e Carlos Moisés na campanha eleitoral de 2018
    Encontro de Jair Bolsonaro e Carlos Moisés na campanha eleitoral de 2018 (Foto: divulgação)

    Os comentaristas esportivos costumam dizer que o “se” não entra em campo e, portanto, o “ se”,  não joga. Fazem isso para ponderar na  explicação de  que o time poderia ter vencido caso  tal jogador tivesse sido escalado para determinada partida.

    Agora, vamos para a política, num exercício de imaginação.

    Carlos Moisés da Silva se elegeu como o candidato de Jair Bolsonaro em Santa Catarina. Logo que assumiu, inflado pelos 71% dos votos que recebeu no 2º turno, tentou carreira solo, buscando suas próprias convicções, e, aos poucos, foi se afastando do Planalto.

    Recebeu MST para tratar de agricultura familiar, tentou aumentar imposto para defensivos agrícolas com maior toxicidade e fez críticas duras ao presidente da República. Se disse “estarrecido”  quando Bolsonaro pediu, logo no início da pandemia, em março, “ a volta à normalidade” e criticou o “confinamento em massa”.

    Esta coluna de hoje não tem  o propósito de analisar se os atos do governo estadual e os caminhos escolhidos por Carlos Moisés foram corretos, técnicos, fruto do bom senso, do equilíbrio e do respeito à ciência. Não é isso que se discute, especificamente, neste texto. São as  suas implicações e consequências políticas.

    >Governo de SC pede audiência com MP para alinhar restrições

    A questão é que Moisés se elegeu por ser o representante de Bolsonaro em Santa Catarina, na chamada onda 17. O afastamento  do chefe do Poder Executivo Estadual do ocupante do Planalto o enfraqueceu politicamente. Caso estivesse, ainda, com Bolsonaro, o clima para impeachment dificilmente existiria. Haveria defesa ostensiva na Alesc e, como escreve o colega Upiara Boschi, teria  “torcida”, ainda mais num estado conservador e que consagrou Bolsonaro nas urnas onde este foi o mais votado em 90%  dos municípios catarinenses. De 295, Bolsonaro venceu em 266 cidades.

    >Polêmica do futebol entre amigos em Chapecó mostra que o problema não é o modelo de gestão

    Há de fato um estelionato eleitoral ?

    Depende do ponto de vista. Para o eleitor Bolsonarista raiz, certamente sim. Se afastar de Bolsonaro enfraqueceu Moisés e permitiu o desgaste do processo de impeachment.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas