nsc
    nsc

    “Onde há a figura do Pastor, tem a ideia do cifrão”, reclama líder evangélico de SC

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    06/04/2021 - 10h25
    Espaço entre os bancos foi adaptado para receber os fiéis
    Espaço entre os bancos foi adaptado para receber os fiéis (Foto: Reprodução/ NSC TV)

    O presidente do Conselho de Pastores do Estado de Santa Catarina, Pastor Alessandro Viana, acredita que há um olhar preconceituoso de parcela da sociedade em relação aos seus colegas.

    > Receba notícias de SC por WhatsApp. Clique aqui e saiba como

    “Onde tem a figura do Pastor, sempre vai ter o pensamento do cifrão. Mas a maioria não entende a essencialidade da igreja. O trabalho social. Nós estamos na linha de frente, entregamos cestas básicas, verdade que não precisa estar aberta para isso. Mas ela tem o seu papel de estar aberta, de acalmar as pessoas nesse momento difícil. Há um preconceito. Os ônibus estão com 50% de ocupação e não podemos abrir com 25%? Não creio que com todos os cuidados vai ser vetor de contágio”, explica.

    As igrejas catarinenses podem abrir com até 25% de ocupação. Os templos evangélicos estão adotando, segundo ele, o distanciamento de 1,5 metro.

    “Nós não somos negacionistas, perdemos amigos e pastores para a Covid-19. Sabemos da gravidade, mas estamos cooperando com as autoridades. Estamos fazendo mais reuniões com menos pessoas. Entendemos que assim podemos nos reunir sem colocar as pessoas em risco”, diz Viana.

    O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir nesta quarta-feira (7) as posições conflitantes sobre a liberação de cultos e missas. No sábado (3), o ministro Nunes Marques determinou, em caráter liminar, que governadores e prefeitos não podem proibir a celebração de atos religiosos desde que sejam preservados protocolos sanitários como a ocupação máxima de 25% da capacidade do local. Na segunda-feira (5), o ministro Gilmar Mendes rejeitou a concessão de uma liminar para suspender o decreto do governo de São Paulo que proíbe celebrações religiosas no estado.

    Ouça a entrevista:

    Leia Mais:

    > Mulher que pulou de carro para fugir de assédio em SC sofreu sequestro, aponta denúncia

    > Leia também: SC tem 4,6 mil vagas de emprego anunciadas no Sine; veja a lista

    Mais colunistas

      Mais colunistas