A diretora da escola Santo André, em Capivari de Baixo, no Sul catarinense, está sofrendo ameaças após iniciar o projeto de executar o hino da Venezuela para acolher os 34 alunos imigrantes do país vizinho. Na segunda-feira (30), os estudantes cantaram pela primeira vez o hino “Gloria al Bravo Pueblo”, como antecipou a colega Catarina Duarte.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Em conversa com a coluna, a professora Cláudia da Rosa Nascimento Lopes informou que tem recebido ligações telefônicas e xingamentos nas redes sociais.

— São pessoas de outros estados, não aqui da nossa região. Eu recebi ameaças de pessoas dizendo que vão me denunciar ao Ministério Público e pedir a minha exoneração. Além dos palavrões. Outros dizem que estou cometendo um crime contra a pátria, quando a nossa ideia é acolher essas crianças — disse a diretora da unidade escolar.

O hino da Venezuela é tocado uma vez por mês, e os hinos brasileiro e da cidade de Capivari de Baixo, uma vez por semana.

Continua depois da publicidade

A diretora da escola irá consultar o departamento jurídico da prefeitura de Capivari de Baixo sobre quais providências deve adotar e fará o registro da ocorrência na Polícia Civil (PC-SC).

Com a colaboração do repórter Deivid Morona, da NSC TV, Criciúma.

Leia mais:

Prestes a virar concessão, Rodoviária de Florianópolis quase saiu da Ilha

As duas rodovias federais que envergonham Santa Catarina

Haitiano derruba muro de escola em acidente e conserta tudo em cidade de SC​​

Ligação entre Palhoça e São José terá novo acesso sem depender da BR-101

Prédio de tradicional supermercado da Grande Florianópolis vai a leilão

Destaques do NSC Total