nsc
    nsc

    Rivais

    Avaí e Figueirense: um não vive sem o outro

    Compartilhe

    Roberto
    Por Roberto Alves
    13/01/2021 - 14h41
    Avaí e Figueirense em campo
    Avaí e Figueirense em campo (Foto: Patrick Floriani/FFC)

    O torcedor da Capital não gosta desta frase. Mas as coincidências são muito grandes na história de ambos. Rivalidades à parte, os caminhos percorridos pela dupla são muito parecidos. Até os problemas! Quando acontece de um lado, o outro também é atingido em seguida. Um foi fundado para fazer frente ao outro.

    Figueirense é de 1921 e completa em 2021 o seu centenário de fundação. Já o Avaí é de 1923, dois anos mais novo.

    > Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

    > Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

    Hoje

    Nesta quarta-feira (13), mais uma vez os caminhos estarão entrelaçados. O Figueirense, numa situação delicada na tabela da Série B, precisa mais do que nunca de uma vitória esta noite na ressacada diante do time baiano do Vitória. Favorece e ajuda muito o coirmão. O Avaí precisa vencer para manter viva a esperança de acesso.

    Se dependesse do torcedor, jamais um ajudaria o outro, até porque essa figuração é apenas da torcida. 

    O Avaí mais do que nunca precisa ganhar. Se há chances, tem que aproveitá-las.

    > Avaí apresenta Marco Aurélio Cunha: "A missão é desempenho esportivo"

    O jogo

    O último resultado do time baiano não indica muitas dificuldades para o Avaí. Foi goleado pelo América, que já está na Série A e ainda briga pelo título com a Chapecoense.

    > Chapecoense vence e volta à elite do futebol brasileiro

    Como dizem que cada jogo é um jogo e nenhum deles é igual, o Avaí precisa fazer a sua parte com um futebol de agressividade. Qualquer tropeço e o time vai começar a pensar na temporada 2021 a partir do estadual em 24 de fevereiro.

    Já o Figueirense, além de esperar o jogo do rival esta noite, já começa mais outra decisão mundial a partir de sexta-feira, quando receberá o Brasil de Pelotas no Scarpelli.

    E o Palmeiras?

    Foi por pouco e teve o auxilio do VAR. O Palmeiras vai à final da Libertadores da América, dia 30, no Maracanã. Nesta quarta-feira conhecerá seu adversário, Santos ou Boca Juniors.

    Se não houvesse o árbitro de vídeo, o Palmeiras teria amargado um resultado absurdo. Depois de vencer em Buenos Aires por 3 a 0, levou 2 gols, com o terceiro anulado pelo VAR e um pênalti marcado que o vídeo anulou.

    Placar moral de 4 a 0 para o River, deixando o Brasil sem entender o que houve.

    Apareceu no estádio do Palmeiras o famoso imponderável do futebol ou o sobrenatural de Almeida, diria o jornalista Nelson Rodrigues.

    > Roberto Alves: Os caminhos do novo homem forte do Avaí

    A festa

    A exemplo do que fez a torcida do Brusque com a sua classificação na Série B do Brasileiro, a torcida da Chapecoense foi às ruas para comemorar o feito, esquecendo totalmente o momento de crescimento da Covid-19.

    Difícil segurar uma cidade que deseja festejar um feito de sua equipe de futebol. Tudo bem, mas a vida deve ser celebrada. Como? Com respeito às determinações das autoridades de saúde.

    > Brusque faz jogo épico, vence o Ituano e está na Série B do Brasileiro

    Comemorar sim. A forma de fazê-lo é que é equivocada.

    Jorginho irritado?

    Jorginho, técnico do Figueirense
    Jorginho, técnico do Figueirense
    (Foto: )

    Foi o que detectamos na entrevista coletiva do técnico do Figueirense após a derrota para a Chapecoense.

    Ao explicar, mostrou uma certa irritação e não conseguimos descobrir a razão maior do técnico, pois normalmente ele tem um comportamento até alegre mesmo na derrota. 

    > Figueirense não teve competência pra marcar e a Chape carimbou o merecido acesso

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas