A Fiesc está defendendo a reserva de R$ 200 milhões para uso nas obras de duplicação da BR-280 no próximo ano. O montante faz parte das listas das consideradas prioridades da entidade empresarial junto ao governo federal. Ainda para a região, a federação quer R$ 78,5 milhões para as obras de aprofundamento do canal externo da baía da Babitonga, utilizado pelas embarcações para acesso aos portos de São Francisco e Itapoá.

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O montante pretendido pela Fiesc para a BR-280 é quase quatro vezes maior do que a quantia prevista na proposta inicial do governo federal para 2023: no projeto em análise no Congresso Nacional, estão reservados apenas R$ 46 milhões para a duplicação dos 76 km da rodovia. O valor deverá ser ampliado por meio de emendas e por readequações de relatoria, mas, pelo histórico de anos anteriores, dificilmente chegará a R$ 200 milhões.

O apelo da Fiesc foi para deputados e senadores buscaram a mais recursos para as rodovias – o montante solicitado para a BR-280 é o maior entre seis estradas federais em obras em Santa Catarina. A conclusão da 280 precisa de pelo menos R$ 900 milhões, além do custeio das desapropriações, supervisão e gestão ambiental.

Recuperação da BR-280 na região de Corupá vai precisar de R$ 50 milhões

Continua depois da publicidade

Grade de retenção em rio de Joinville terá de ser recolocada

Como foram as “perdas” da prefeitura de Joinville na receita do ICMS

Desde 2017, lei em Joinville tem 30 mudanças

Quase dez anos depois, prefeitura de Joinville tenta concluir duplicação de avenida

“Reforma” da SC-418 prevê obras de contenção; edital ainda precisa ser lançado

Prefeitura de Joinville abre novo seletivo para contratar temporários

Destaques do NSC Total