nsc
nsc

Macrodrenagem

Retomada das obras do rio Mathias, em Joinville, não tem prazo e pode nem sair

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
15/05/2021 - 08h04
Visconde de Taunay teve pavimento e drenagem recuperados nas últimas semanas
Visconde de Taunay teve pavimento e drenagem recuperados nas últimas semanas (Foto: Divulgação)

A obra mais tumultuada de Joinville nos últimos anos não tem previsão de retorno. O contrato da macrodrenagem do rio Mathias foi rescindido no ano passado e a retomada das obras depende de nova licitação. Após a Justiça Federal alegar que não havia nenhum entrave, a prefeitura começou a recuperação das ruas atingidas pelas obras. O trabalho foi concluído na Visconde de Taunay, a Via Gastronômica, e agora está em fase final na Jerônimo Coelho. Depois disso, não há mais previsão de intervenção, pelo menos a curto ou médio prazos. E como a tramitação da ação está em primeira instância e a pendenga pode continuar em tribunais superiores por anos, a disputa judicial poderá ser usada como alegação para adiar a retomada por prazo indefinido.

> Dengue mantém avanço em Joinville e já são mais de 4 mil casos em 2021

> Joinville tem quase 10 mil famílias aptas a programa de alimentos; distribuição ainda sem data

> MP arquiva representação contra prefeito de Joinville sobre certificado da Previdência

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

A macrodrenagem servirá para reduzir os alagamentos na área central, provocados principalmente pelas chuvas em momentos de maré alta. Pelos cálculos do governo anterior, 70% das obras previstas foram concluídas, mas ainda não há funcionalidade. A atual administração pretende concluir a obra, uma galeria subterrânea na área central de Joinville ligada a um sistema de bombeamento junto ao rio Cachoeira.

Só que o posicionamento é aguardar pelo desfecho de ação judicial apresentada em 2018 pelo Ministério Público Federal. A Justiça Federal determinou perícia nas obras, já concluída. Neste momento, o laudo está em avaliação pelas partes. Após a decisão judicial sobre o tema, com definição de responsabilidades sobre os atrasos, a prefeitura pretende lançar a licitação para retomar as obras.

Há também uma CPI do Mathias em andamento na Câmara de Joinville, com conclusão em junho. Se as obras não forem concluídas, a prefeitura corre o risco de ter de devolver os R$ 26 milhões do governo federal utilizados até agora. O convênio foi prorrogado até abril de 2023. Pela situação no momento, sem previsão alguma de nova licitação, o prazo terá de ser ampliado novamente. Joinville vai conviver com a expectativa de conclusão das obras por muito tempo.

> Reparo em via lateral da BR-101 em Joinville vira impasse

> Novos cemitérios são proibidos em área de proteção ambiental de Joinville

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas