nsc
    nsc

    SEM PREVISÃO DE VOTAÇÃO

    Sem “economia” para prefeitura em 2020, reforma da Previdência em Joinville deve ficar para 2021

    Compartilhe

    Saavedra
    Por Saavedra
    26/07/2020 - 11h05
    Prefeitura de Joinville queria reduzir déficit com Ipreville com a reforma
    Prefeitura de Joinville queria reduzir déficit com Ipreville com a reforma (Foto: Arquivo Pessoal)

    O prazo esperado pela prefeitura de Joinville para a aprovação do projeto da alíquota previdenciária dos servidores – final de julho - está se esgotando e os vereadores não se movimentam para votar a proposta: está cada vez mais distante a possibilidade de aprovação em 2020. Há mobilizações de municípios pelo País para ampliação dos prazos para as prefeituras se adequarem à reforma da Previdência.

    > Joinville tem ocupação imediata dos novos leitos de UTI abertos para coronavírus

    > Joinville registra 106 mortes de moradores que contraíram o novo coronavírus

    A Prefeitura de Joinville quer ampliar a parcela paga pelo funcionalismo de como contribuição previdenciária de 11% para 14% do salário. Essa elevação está prevista na reforma nacional da Previdência aprovada no ano passado. Mas a pressão foi grande dos servidores em Joinville e a Câmara adiou a votação prevista para março. Agora, os vereadores alegam necessidade de audiências públicas, uma impossibilidade em tempos de pandemia.

    Além disso, está sendo citado o movimento para a prorrogação de prazos para a adequação. A prefeitura alegava que se não fosse feita a votação até o final de julho, havia o risco de Joinville perder o certificado de regularidade previdenciária, com consequências em repasses federais.

    Com a alíquota maior a ser paga pelos servidores, seria reduzido o montante desembolsado pela prefeitura ao Ipreville, o instituto de previdência municipal, por conta do déficit atuarial. Seriam em torno de R$ 180 milhões a menos de um total de R$ 810 milhões. Mas essa redução seria diluída até 2043.

    Só que nesse meio tempo, surgiu lei federal abrindo a possibilidade de suspensão desses pagamentos ao instituto até o final do ano, o que Joinville já está fazendo, inclusive em relação ao déficit atuarial. Portanto, alíquota maior agora não traria economia alguma à prefeitura em 2020, afinal, esse pagamento já está suspenso. Talvez por isso a questão tenha perdido força. Além disso, a aprovação do projeto da prefeitura para a suspensão de pagamentos ao Ipreville passou por apenas um voto de diferença. O risco de derrota governista em plenário na votação da alíquota maior é grande.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas