publicidade

Navegue por
Upiara

Operação Chabu

Política de Florianópolis à espera de decisão do TRF-4 sobre afastamento de Gean

Compartilhe

Por Upiara Boschi
24/06/2019 - 06h00 - Atualizada em: 24/06/2019 - 06h00
Prefeito afastado Gean Loureiro e prefeito em exercício João Batista Nunes, na época da campanha eleitoral. (Foto: Flickr Gean Loureiro, Divulgação)

Todas as atenções do meio político estarão esta semana concentradas em Porto Alegre, onde o desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4), deve analisar o pedido de Gean Loureiro (sem partido) para que seja revogada a decisão que o mantém afastado da prefeitura de Florianópolis. Se for mantida a posição, perde força a tese do prefeito de que as questões que pesam contra ele na investigação da Operação Chabu foram esclarecidas quando sua prisão foi revogada após prestar depoimento, terça-feira.

Instada a se manifestar sobre o afastamento de Gean Loureiro, a PF pediu a manutenção de todas as restrições impostas ao prefeito, incluindo o afastamento do cargo por 30 dias. O parecer diz que “o acervo probatório indica a utilização indevida do cargo”. O indício mais forte da ligação de Gean com o grupo investigado é a intermediação para a mulher do policial rodoviário Marcelo Winter permancesse nomeada em cargo comissionado na Secretaria Estadual de Assistência Social. Antes da decisão de Leandro Paulsen, o Ministério Público Federal também vai se manifestar.

Enquanto isso, o vice-prefeito João Batista Nunes (PSDB) continua no cargo interinamente. É interessante que nas conversas sobre o projeto de reeleição de Gean, o tucano vinha sendo dado como carta fora do baralho. Nos bastidores, a vaga de vice do ex-emedebista vinha sendo disputada de forma mais ou menos aberta por nomes como os secretários Ed Pereira (PSB) e Everson Mendes (PSC), além do vereador Gabrielzinho (PSB). O prefeito dava sinais de que não pretendia contar nem com o atual vice e nem com seu partido, o PSDB - tão desgastado nacionalmente quando o MDB que Gean deixou no final de maio. Agora, se for mantido o afastamento, terá que contar com a lealdade de João Batista.

Leia também:

Operação Chabu começa a ganhar uma narrativa

Gean encara câmeras e microfones para tentar conter desgaste político

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação