nsc
nsc

Respiradores

Saída de Zeferino era necessária, mas não deve conter crise política do governo Moisés

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
01/05/2020 - 08h56 - Atualizada em: 01/05/2020 - 10h30
Hélton Zeferino esteve ao lado do governador Carlos Moisés durante toda a crise do coronavírus, mas não resistiu às pressões pela saída após polêmica compra de respiradores. Foto: Maurício Vieira, Secom/Divulgação
Hélton Zeferino esteve ao lado do governador Carlos Moisés durante toda a crise do coronavírus, mas não resistiu às pressões pela saída após polêmica compra de respiradores. Foto: Maurício Vieira, Secom/Divulgação

Era insustentável a permanência de Helton Zeferino na Secretaria de Saúde diante da repercussão negativa da nebulosa compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões. Já o seria em tempos normais, imagine em meio a uma pandemia em que caberia a ele liderar as ações da pasta mais exigida neste momento dramático.

O pedido de exoneração foi anunciado no final da noite de quinta-feira, véspera de feriado, dois dias depois de a Assembleia Legislativa aprovar uma CPI para investigar a compra dos respiradores e um requerimento pedindo o afastamento de Zeferino. O governador Carlos Moisés (PSL) inicialmente bancou a permanência do secretário - colega de farda, bombeiro militar como ele.

Mesmo quando teve que assumir, terça-feira, que não tinha respostas a oferecer sobre o negócio suspeito e que por isso determinara abertura de sindicância para investigar a operação, Moisés o fez ao lado de Zeferino. Criou a inusitada cena em que colocava Polícia Civil, Controladoria-Geral do Estado (CGE) e Procuradoria Geral do Estado (PGE) para apurar a conduta do secretário que prestigiava. Era insustentável - oficialmente foi o próprio Zeferino que pediu para deixar o cargo para tentar impedir que sua presença neste momento atrapalhe o que mais importa, que são as ações da secretaria no combate à pandemia.

A exoneração, no entanto, não fará o governo Carlos Moisés parar de sangrar politicamente. O pesselista já vinha sofrendo com a perda de sustentação na Assembleia Legislativa por críticas à forma como conduz o Estado em meio à crise do coronavírus. Os parlamentares, mesmo aqueles que era mais próximos do Centro Administrativo, reclamavam de centralização das decisões e que o governador não os escuta. Os adversários, por sua vez, organizaram-se para fazer o combate sistemático - seja pela aprovação de projetos na omissão do governo em relação à medidas para minimizar o impacto das restrições sociais sobre a economia, seja na pressão - geralmente de viés bolsonarista - para revogação dos decretos que ainda garantem algum isolamento.

Agora, no entanto, Moisés é criticado naquilo que vinha sendo sua fortaleza: a ideia de um governo técnico, livre da politicagem e da corrupção. Um governo que criou estruturas como a CGE e a Secretaria de Integração e Governança justamente para atacar ainda no Poder Executivo os possíveis malfeitos. Um governo que contava com a simpatia de órgãos de controle externo, especialmente em suas equipes técnicas. Esse flanco será muito explorado na Assembleia pelos adversários de Moisés - cada vez menos discretos.

A CPI dos respiradores será um palco evidente neste momento - com maioria oposicionista e a provável participação do autor do requerimento, Ivan Naatz (PL), como relator. Devem ser chamados o ex-secretário, outros nomes do governo, a antiga superintendente de gestão administrativa da Saúde - afastada pelo governo quando as perguntas sobre a operação ficaram incômodas - empresários que participaram da veloz negociação que levou à compra dos aparelhos que ainda não chegaram, mas já foram pagos.

Paralelamente, a comissão especial criada para fiscalizar os atos do governo durante a pandemia também vai buscar seus holofotes. Foi nela que o deputado estadual Bruno Souza (Novo) pediu e foi aprovado unanimemente o requerimento sugerindo o afastamento de Zeferino. Presidente da comissão, Marcos Vieira (PSDB) disse que a compra apresentava “uma série de erros administrativos imperdoáveis” que nem mesmo a entrega dos respiradores sanaria. Esse grupo deve passar um pente fino em todos os processos de compras realizados na pandemia.

A saída de Zeferino na noite de quinta-feira era inevitável, mas não tem o poder de conter, por si, o inferno astral político do governo Moisés. É a crise política dentro da crise pandêmica. É Santa Catarina cada vez mais parecida com Brasília.

Leia mais:

Dagmara Spautz: demissão de secretário deixa vácuo no combate à pandemia

Renato Igor: os bastidores da exoneração do secretário da Saúde de Santa Catarina

Comissão da Alesc que pediu afastamento de secretário se manifesta após exoneração

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Mais colunistas

    Mais colunistas