nsc

publicidade

Disputa interna

Tomada do PSL por núcleo bolsonarista terá efeitos em SC

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
21/10/2019 - 20h05 - Atualizada em: 21/10/2019 - 22h04
Daniel Freitas e Eduardo Bolsonaro (Foto: Divulgação)
Daniel Freitas e Eduardo Bolsonaro (Foto: Divulgação)

O bolsonarismo e sua militância virtual mostraram força e conseguiram fazer deputados federais do PSL mudarem de posição para emplacar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) como líder do partido na Câmara. Uma pequena vitória em uma disputa interna, mas que ganhou peso político por representar o início da tomada da legenda pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Santa Catarina entrou na dança, com a decisão do Daniel Freitas de trocar de trincheira nessa disputa. Semana passada ele estava no rol dos que assinaram pela manutenção de Delegado Waldir (PSL-GO), o homem que prometia implodir Bolsonaro. Nesta segunda-feira, ele se juntou aos colegas de bancada Caroline de Toni e Coronel Armando na nova lista que finalmente colocou o filho 03 do presidente na liderança do partido. Entre o catarinenses, apenas Fábio Schiochet ficou ao lado dos fiéis ao presidente nacional da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE).

Freitas sofreu nos últimos dias com a pressão das bases - Criciúma é um dos principais polos bolsonaristas de Santa Catarina. Tentou amenizar, disse que era “100% Bolsonaro”, mas que aquela disputa era meramente partidária. Não convenceu e mudou a posição. Disse ter reavaliado a situação com base nos ataques de Delegado Waldir ao presidente em áudio vazado. Gravou vídeo com Eduardo Bolsonaro em que este pede que se coloque panos quentes no episódio.

A vitória pontual do deputado-filho não pacificará o PSL nacional e terá reflexos mais do que evidentes aqui no Estado. Schiochet é o presidente estadual da sigla, escolhido em acordo com Bivar e alinhado politicamente à posição mais moderada ideologicamente do governador Carlos Moisés da Silva (PSL). Com a balança pendendo para os bolsonaristas em Brasília, esta liderança tende a ser questionada.

Na Assembleia, quatro dos seis deputados estaduais estão hoje fora da base do governo - uns por visão ideológica como Ana Campagnolo e Jessé Lopes, outros por dificuldades de entendimento pontuais com Moisés, como Felipe Estêvão e Sargento Lima. Ainda estão alinhados ao Centro Administrativo os deputados Coronel Mocellin, pela farda, e Ricardo Alba, pré-candidato a prefeito de Blumenau.

O que se vê, pouco mais de um ano depois de ser premiado pela urnas como protagonista da onda conservadora, é um PSL em frangalhos. Não há nenhuma perspectiva no horizonte que aponte para uma pacificação entre Bolsonaros e Bivar, entre bolsonaristas e palacianos - no contexto estadual. O partido continua em disputa.

Leia também

Eduardo Bolsonaro destitui vice-líderes do PSL na Câmara dos Deputados

Delegado Waldir decide entregar liderança do PSL, que fica com Eduardo Bolsonaro

Nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro defende o pai, culpa candidaturas laranjas e ataca Joice Hasselmann

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade